As autoridades sanitárias de Angola inauguraram hoje o seu primeiro Banco de Leite Humano, com capacidade de recolha diária de 100 litros de leite, doados por 50 mulheres, que se deslocam para o efeito à maior maternidade do país. A ministra da Saúde de Angola, Sílvia Lutucuta, garantiu no dia 1 de Agosto de 2018 que o país iria ter um Banco de Leite Materno “ainda no segundo semestre de 2018”. Só falhou num ano.

O projecto, que estava há vários anos em preparação, conta com o apoio do Governo do Brasil e alguns parceiros nacionais. Em declarações à comunicação social, a coordenadora do Banco de Leite Humano, Elisa Gaspar, disse que já existe leite preparado para amamentar as crianças necessitadas, ou seja, aquelas cujas mães se vêem impossibilitadas de o fazer, nomeadamente as infectadas pelo vírus do HIV/Sida.

Segundo Elisa Gaspar, por enquanto, apenas a Maternidade Lucrécia Paim dispõe de uma unidade deste tipo, mas as colheitas estendem-se por quatro outras maternidades de Luanda.

“Temos capacidade para a recolha de 100 litros de leite diária e temos neste momento 50 doadoras inscritas e que dão todos os dias, várias vezes, leite. Temos neste momento leite suficiente para dar aos prematuros do berçário e bebés que nascem de mães seropositivas”, sublinhou.

Elisa Gaspar disse que o trabalho é assegurado por 25 técnicos especializados em banco de leite humano, fruto de trabalho voluntário há um ano. O Banco de Leite Humano é constituído por um laboratório de controlo de qualidade, que garante a qualidade do leite e o local de recolha.

A ministra da Saúde de Angola, Sílvia Lutucuta, disse, na sua intervenção que o Governo angolano vai alargar, de forma gradual, o projecto às restantes unidades sanitárias do país com serviços ou especializadas na assistência à mãe e à criança.

Sílvia Lutucuta apelou ao contributo de todos para o fortalecimento da iniciativa, “recordando que toda a mulher que amamenta pode ser doadora de leite humano”.

Por sua vez, o ministro da Saúde do Brasil, Luiz Mandetta, lembrou que um dos Objectivos do Milénio da agenda 20/30 é a redução da mortalidade infantil e dar leite humano para as crianças que precisam traz enormes benefícios nesse sentido.

Luiz Mandetta destacou a experiência de mais de 30 anos desse programa no Brasil, hoje estruturado em todo o território nacional e adoptado em mais de 30 países, o mais recente é Angola.

Para o ministro brasileiro, é necessário agora “a sociedade angolana se apropriar desse banco de leite, entender a importância, as mulheres doarem”.

“O segundo passo é transferir essa tecnologia (…) para esta maternidade, vamos ajudar Angola a mandar para todas as províncias para que nós tenhamos, pelo menos, um banco de leite em cada província aqui em Angola”, disse.

O governante do Brasil frisou que o apoio brasileiro neste projecto vai desde toda a parte do sistema de colheita – “uma tecnologia barata” – à testagem do leite, fazer o congelamento e descongelamento, ou seja, a pasteurização do leite para eliminar micróbios e a análise de contaminação.

“Essa (tecnologia) que foi integralmente transferida aqui para Angola, não é uma tecnologia complexa, mas é a tecnologia que o Brasil utiliza e que um monte de países do mundo tem utilizado com sucesso”, acrescentou.

Do Brasil são parceiros do Banco de Leite Humano angolano, a Fiocruz e a Agência Brasileira de Cooperação (ABC).

A testemunhar a inauguração do primeiro Banco de Leite Humano angolano esteve também o coordenador da Rede Global de Bancos de Leite Humano do Brasil, João Aprígio Guerra de Almeida.

E a demagogia da ministra continuará a dar… leite?

Recorde-se que a ministra da Saúde de Angola, Sílvia Lutucuta, garantiu no dia 1 de Agosto de 2018 que o país iria ter um Banco de Leite Materno “ainda no segundo semestre de 2018”, adiantando que o projecto não arrancou anteriormente por “dificuldades financeiras”.

“Temos que ser optimistas, grande parte deste projecto é financiado por doações e acreditamos que ainda neste segundo semestre será possível termos o nosso banco de leite a funcionar”, afirmou a ministra em declarações aos jornalistas.

Optimistas, sim. Matumbos, não. A ministra, certamente embalada pela propaganda do seu partido, parecia querer – como Folha 8 escreveu nesse exacto dia, entrar também para o anedotário nacional. E é pena.

A governante que falava à margem da cerimónia de abertura da Semana Mundial da Amamentação que decorria no país até 8 de Agosto, sublinhou que razões financeiras impossibilitaram a implementação deste Banco que deveria funcionar na maternidade Lucrécia Paim, em Luanda.

“Este é um projecto que já tem alguns anos e que por esta altura deveria ter sido implementado, por razões financeiras e outras ainda não está preparado ou iniciado”, explicou.

O Banco de Leite Materno é uma instituição de saúde que se dedica a colectar, analisar, armazenar, preservar e entregar leite materno doado.

Sílvia Lutucuta fez saber igualmente que o departamento ministerial que dirige já trabalhava então com a direcção da maternidade Lucrécia Paim, a maior do país, para a “curto prazo” conseguir começar com o projecto de aleitamento materno naquela maternidade.

“As instalações já estão, os equipamentos foram em grande parte doados, têm que chegar ao país e também precisamos de formar quadros com as competências necessárias para que este projecto seja um facto”, sustentou.

Em Angola, segundo revelou nesse dia a ministra, e como Folha 8 revelou no texto “Ao menos não brinquem com as nossas crianças”, apenas 38% das crianças são amamentadas exclusivamente até ao sexto mês.

E eis que chega Isabel dos Santos

1 de Agosto de 2017. Certamente graças à experiência da Mãe Isabel dos Santos, por sinal então Presidente do Conselho de Administração, a Sonangol revelava um texto intitulado: “Dia Mundial da Amamentação – O leite materno é o melhor alimento para o bebé”.

Recordemos, na íntegra, e com a devida vénia (a Isabel dos Santos e não a Carlos Saturnino ou ao seu sucessor) o respectivo artigo:

“Nos dias de hoje, apenas 38% das crianças no mundo são alimentadas exclusivamente de leite materno nos primeiros seis meses de vida, de acordo com os dados da Organização Mundial de Saúde.

E este facto é tão mais prejudicial para os bebés, que não se alimentam desta forma, porquanto o leite materno é o único alimento que fornece nutrientes naturais, e que são fundamentais para o crescimento e desenvolvimento saudável da criança. O leite da mãe combate as infecções, protege contra bactérias e vírus, e evita as diarreias, além de constituir o método mais barato e seguro de alimentação neo-natal.

Organização Mundial da Saúde recomenda que até aos 6 meses de vida o bebé seja alimentado exclusivamente de leite materno. Outros alimentos, como papas, sopas, água, etc., só devem entrar na dieta alimentar da criança após esse período de seis meses. Contudo, até aos 2 anos, esses alimentos devem complementar o leite e não contribuir para a eliminação do ritmo alimentar.

Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), no Inquérito de Indicadores Múltiplos e de Saúde 2015-2016 de Angola, o início precoce da amamentação é importante para a criança mas também para a mãe. O primeiro leite materno contém colostro, que é altamente nutritivo, e possui anticorpos que protegem o recém-nascido contra doenças. A amamentação encoraja igualmente a criação de laços entre a mãe e o recém-nascido, facilitando a produção regular do leite materno. Assim, recomenda-se que as crianças sejam amamentadas imediatamente após o nascimento ou dentro de uma hora pós-parto, desencorajando-se a alimentação pré-láctea (dar ao recém-nascido tudo menos leite materno antes deste começar a alimentar-se, com regularidade, directamente do peito da mãe).

Embora a amamentação exclusiva durante os primeiros seis meses de vida seja importante para a sobrevivência e o bem-estar da criança, é igualmente importante que os alimentos complementares sejam introduzidos atempadamente, uma vez que o leite materno não fornece a nutrição adequada para os bebés com mais de 6 meses de idade. Em Angola, a maioria das crianças com mais de 6 meses consome alimentos complementares correspondendo às indicações do Ministério da Saúde sobre princípios de nutrição infantil.

De acordo com estatísticas do INE, a duração média de qualquer tipo de aleitamento materno é de 18,7 meses, enquanto a duração média de aleitamento materno exclusivo é de 3,1 meses e a de aleitamento materno predominante de 5,2 meses.

As principais vantagens da amamentação para a saúde do bebé são o combate as infecções, o desenvolvimento sensorial e cognitivo da criança, a protecção contra as alergias, a prevenção de infecções gastrointestinais, urinárias e respiratórias, alterações ortodônticas de fala e diminuição nas incidências de cárie, a melhoria da nutrição, a diminuição do risco de obesidade, hipertensão e colesterol elevado.

Para a mãe, a amamentação ajuda o útero a regressar mais rapidamente ao seu tamanho normal, protege contra o cancro da mama e dos ovários, previne fracturas ósseas por osteoporose, o risco de artrite reumatóide, facilita o retorno do peso pré-gestacional e reduz, de forma significativa, a ansiedade e depressão pós-parto.”

Folha 8 com Lusa

Partilhe este artigo