O satélite Ango-Rússia 1 subiu, subiu, subiu e, quando soube que deveria obedecer às ordens superiores do governo da Re(i)pública da Angola do MPLA, fugiu. Nunca mais ouviu ou falou, apesar das diversas tentativas para dialogar com o satélite. O ministro do satélite que fugiu ainda não se demitiu e se fosse exonerado depois voltaria a ser nomeado. Será difícil encontrar um cidadão pior para desempenhar esse cargo na governação.

Por Domingos Kambunji

Caetano Júnior está muito chateado. Só agora é que conseguiu perceber que a fraude na Re(i)pública da Angola do MPLA não se restringe apenas aos actos eleitorais mas também às licenciaturas nas universidades estatais. Isto é o que se pode classificar como uma capacidade de pensar e chegar às conclusões à velocidade do caracol.

A prioridade na Re(i)pública da Angola do MPLA foi fundar muitas universidades para as baptizar com o nome de traidores à pátria, como é o caso da Agostinho Neto e da José Eduardo dos Santos. Agora só falta fundar mais uma para adoptar o nome do João Lourenço.

A qualidade do ensino não foi nem é importante. O importante foi fundar muitas universidades com uma qualidade semelhante ao fluxo mental de Bentos Kangambas e Kundi paiLamas. Daí o facto de uma vergonhosa maioria dos que obtêm os canudos chumbarem nos exames de aferição de conhecimentos. Também temos a certeza de que a grande maioria, se não mesmo a totalidade, dos que se apresentam como jornalistas do jornal da Angola do MPLA chumbaria numa avaliação sobre competência, conhecimento e ética profissional.

Conhecemos várias universidades que há quatro décadas estavam a dar os primeiros passos no ensino. Esse período de tempo foi suficiente para melhorar as condições de ensino e estão neste momento com um prestígio muito grande a nível internacional. Nenhumas dessas universidades está localizada na Re(i)pública da Angola do MPLA, nem obedece às ordens superiores do Comité Central do MPLA.

Há mais de quatro décadas o MPLA esteve mais interessado em iniciar uma guerra civil, para combater uma ideologia que diz defender agora, do que em desenvolver sinergias democráticas para melhorar a qualidade de vida dos angolanos em geral. Esteve sempre mais interessado em investir na guerra do que em apostar no ensino, na educação e na qualidade de vida dos angolanos em geral.

Ainda agora o jornal da Angola do MPLA publicou uma entrevista com um “iluminado” apoiante do MPLA que diz: “Angola deve apostar numa indústria militar para garantir a auto-sustentabilidade das FAA”.

A Re(i)pública da Angola do MPLA, em qualidade de vida a nível mundial, está no miserável lugar 141. Os cinco países com melhor qualidade de vida são a Noruega, a Nova Zelândia, a Finlândia, a Suíça e a Dinamarca. A Re(i)pública da Angola do MPLA no combate à corrupção está no nojento lugar 165 a nível mundial. Os cinco países que ocupam o topo da lista no combate à corrupção são a Nova Zelândia, a Dinamarca, a Finlândia, a Noruega e a Suíça. Nenhum destes países está numa situação de apostar na paranóia da indústria militar, como propagandeia o jornal da Angola do MPLA.

Quem é o presidente da Re(i)pública da Angola do MPLA? Um general, formatado na ditadura da União Soviética, na Academia Lenine. Ele foi um dos combatentes na guerra civil para combater os tais ideais que diz defender agora, enriquecendo à custa disso.

Caetano Júnior diz que a imagem do sistema de ensino da Re(i)pública da Angola do MPLA está desgastada. Como é que se pode desgastar ainda mais um sistema educativo que teve sempre muito má imagem? Estes eufemismos do Júnior se não fossem tão trágicos seriam cómicos.

O adjunto do bajulador Victor Silva do jornal da Angola do MPLA diz que muitos estudantes que concluem as licenciaturas, nas universidades medíocres do MPLA, vêm para a sociedade esbanjar a vaidade por terem obtido um canudo. No fim de contas fazem o mesmo que os responsáveis pelo jornal da Angola do MPLA que, com um narcisismo matumdo e megalómano, usam abusivamente o título de jornalistas.

Não é de admirar este comportamento. O patrão do Victor & Caetano, o João Melo, Ministro da Propaganda e Educação Patriótica que, durante a longa noite da ditadura do Zédu revelou sempre uma exagerada cobardia intelectual, tentando beatificar o pai do Zenu, que está na cadeia, agora até se apresenta como democrata.

Houve quem sugerisse que os principais dirigentes do MPLA deixassem de viajar para o estrangeiro e recorressem à assistência médica do Serviço Nacional de Saúde do MPLA. Onde é que anda o famoso juiz Januário Domingos para não julgar e condenar os autores dessa sugestão, pertencentes a uma organização de malfeitores? Isso é tentativa de golpe de estado com o objectivo que praticar vários homicídios!

Não se fazem omeletas melhores teimando em utilizar sempre os mesmos ovos podres.

Partilhe este Artigo