O presidente cessante da UNITA, Isaías Samakuva, desejou hoje que o processo eleitoral para a escolha do novo líder do partido angolano do “Galo Negro” decorra sem instabilidade nem fricções, para que o congresso promova a reconciliação interna.

“P odemos discordar, mas sem contundências nem hostilidades, para não perdermos a capacidade de nos unir”, pediu o líder da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), o maior partido da oposição que o MPLA ainda permite que exista em Angola, fundado por Jonas Savimbi há 53 anos.

Isaías Samakuva discursava na abertura do XIII Congresso Ordinário da UNITA, onde será escolhido o seu sucessor, e apelou para que o processo eleitoral não se transforme num factor de instabilidade ou num ambiente de fricção.

O actual presidente que deixa o cargo após 16 anos e quatro mandatos, cedendo a liderança a um dos cinco candidatos que se apresentaram à corrida para ser o terceiro presidente da UNITA: o presidente do grupo parlamentar do partido, Adalberto da Costa Júnior, o vice-presidente, Raul Danda, o porta-voz do partido, Alcides Sakala, o deputado José Pedro Katchiungo e o general Abílio Kamalata Numa.

Dirigindo-se aos 1.150 delegados que vão eleger o novo presidente, Samakuva aconselhou para escolherem “líderes com capacidade de congregar, e não dividir” que sejam “honestos e disciplinados” e que trabalhem “afincadamente em equipa para a conquista do poder do Estado”.

Deixou também recados aos candidatos, lembrando que devem obediência aos estatutos e aos órgãos superiores de direcção e frisando que “nenhum candidato é maior do que a UNITA” nem é “o barulho ou o falar mais alto que faz alguém o mais preferido”.

Isaías Samakuva assinalou que o partido realiza o XIII congresso no mesmo ano em que conseguiu fazer a exumação e inumação dos restos mortais de Jonas Savimbi, um ano de “consagração da sua memória” e em que a UNITA “aumentou significativamente o seu valor no mercado político”.

O dirigente afirmou também que há mais gente “a sentir-se atraída à UNITA” e que “os que haviam congelado a sua militância sentem-se motivados a voltar”, pelo que é também tempo de o partido do “Galo Negro” promover a reconciliação interna.

O presidente cessante lembrou que, desde 1966, o partido atravessou momentos de tensão que “nem sempre conduziram a bons desfechos” e considerou que este congresso é “o momento adequado para virar a página que ensombrou” o passado, pedindo que seja tomada “uma posição clara que signifique o virar da página”.

A UNITA iniciou hoje o seu XIII congresso ordinário onde será eleito novo líder. 1.150 delegados vão escolher entre os cinco candidatos à sucessão de Isaías Samakuva o que consideram ser o mais adequado a liderar a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), fundada por Jonas Savimbi em 1966.

A imposição de limites aos mandatos e ao número de candidaturas são outros assuntos que vão ser debatidos no conclave do partido do “Galo Negro”, que se realiza no município de Viana, em Luanda.

Durante o congresso, está também previsto que o presidente cessante apresente um relatório de actividades dos seus últimos quatro anos de mandato.

Na eleição para presidente da UNITA sairá vencedor o candidato que atingir 50% dos votos mais um, não estando de parte a hipótese de se realizar uma segunda volta em caso de empate.

Programado Congresso

DIA 13 DE NOVEMBRO DE 2019 (QUARTA-FEIRA)
LOCAL – SALÃO MULTIUSOS, COMPLEXO DA SOVSMO – VIANA
9H00 – Prelúdio com danças tradicionais à entrada da sala do Congresso.
9H20 – Chegada dos Congressistas, militantes e convidados
9H55 – Chegada do Presidente do Partido, Henrique Gola Samakuva.
10H00 – Início do acto solene de abertura do XIII Congresso Ordinário do Partido.
1. Prelúdio com danças tradicionais (Marimba)
2. Hino da República (instrumental)
3. Hino do Partido (Banda Musical) seguido de um minuto de silêncio
4. Nota de abertura
5. Momento de exaltação ao Presidente Fundador
6. Canção pelo Orfeão Central de Luanda
7. Apresentação dos delegados e convidados
8. Leitura de mensagens
9. Jogral da JURA
10. Intervenção das crianças
11. Discurso de Abertura do Congresso pelo Presidente do Partido
12. Canção Final Há Victória Pra Nós
13. Poslúdio com música (Kabanga e Papitex)

12 H00 – PRIMEIRA PLENÁRIA
INICIO DOS TRABALHOS INTERNOS
1. Eleição do Presidente do Congresso;
2. Constituição da mesa do Congresso;
3. Constituição da mesa de Redacção;
4. Constituição das comissões de trabalho;

DIA – 14 DE NOVEMBRO DE 2019 (QUINTA-FEIRA)
9H00 – Retorno aos trabalhos por comissões
15H30 – SEGUNDA PLENÁRIA
1. Relatório dos trabalhos por subcomissões;
2. Leitura das conclusões e resoluções do XIII Congresso.

DIA – 15 DE NOVEMBRO DE 2019 (SEXTA-FEIRA)
8H30 – Acto eleitoral
Eleição do Presidente.
ACTO DE ENCERRAMENTO
LOCAL – PAVILHÃO MULTIUSOS DA SOVISMO EM VIANA
HORAS – 16H00
1. Hino do Partido (Vozes Profissionais, seguido de um minuto de
Silêncio).
2. Apresentação dos resultados eleitorais
3. Empossamento do Presidente eleito
4. Discurso dos Candidatos não eleitos
5. Canção Pelo DAP da LIMA do Bengo
6. Momento de exaltação e condecoração do presidente cessante (com intervenção da Banda Musical)
7. Discurso do Presidente Cessante
8. Poema Batuque de África (encenado)
9. Apresentação e ratificação da Comissão Política
10. Comunicado Final
11. Discurso do Presidente Eleito
12.Canção Final Há Victória Pra Nós
13. Fotografia Institucional (de família).

SESSÃO DE CONFRATERNIZAÇÃO.

Folha 8 com Lusa

Partilhe este artigo