ANGOLA. As autoridades angolanas anunciaram hoje que a província de Luanda, com apenas uma transportadora pública, precisa de pelo menos 1.800 autocarros em circulação para responderem à mobilidade automóvel e dos mais de sete milhões de habitantes.

Segundo o director do gabinete provincial dos Transportes, Trânsito e Mobilidade Urbana de Luanda, Amadeu Campos, a actual frota da capital angolana é composta por 213 autocarros, suportada por cinco empresas.

O responsável falava no painel sobre “Problemática da Mobilidade Urbana em Luanda” na 1.ª Conferência Internacional sobre Mobilidade, que decorre em Luanda, organizada pelo ministério dos Transportes angolano.

“Uma [empresa] pública a TCUL – Transportes Urbanos Colectivos de Luanda – e quatro privadas, que não alcançam as reais necessidades da província. O Plano Director Geral de Luanda, 2015/2030, prevê 1.800 autocarros e 105 rotas”, indicou.

Para Amadeu Campos, o aumento da frota operacional das operadoras na capital angolana corresponderia a 2,3 veículos por cada 10.000 habitantes e também a construção de 398 quilómetros de vias expressas primárias, a par das secundárias e terciárias.

O Governo assumiu hoje que a província de Luanda tem uma rede de transportes urbanos “ainda muito aquém das suas necessidades”, sobretudo do ponto de vista da “frota disponível e dos sistemas complementares” de mobilidade urbana.

O ministro dos Transportes, Ricardo de Abreu, ao discursar na abertura da conferência, referiu que também outras cidades angolanas “já vivem desafios desta natureza”.

Luanda conta com mais de sete milhões de habitantes e com registos diários de reclamações dos munícipes, sobretudo pela carência de transportes públicos e “débil condição” das vias secundárias e terciárias para desafogar o trânsito automóvel, de pessoas e bens.

“Identificar Desafios, Procurar Soluções” é o lema da conferência que congrega especialistas nacionais e estrangeiros com o intuito de “gerar soluções e promover estratégias de racionalização e sustentabilidade” da rede de mobilidade angolana.

Lusa