A História verdadeira é insensível e demasiado objectiva a desmascarar a hipocrisia das oligarquias. Andou o pai da Tchauzé (nome por que é conhecida depois de a Tchizé ter sido corrida da TPA) a enviar muitíssimos jovens angolanos para a morte e a matar milhões de angolanos, durante a guerra civil iniciada pelo MPLA e não só, para combater o capitalismo e o imperialismo dos Estados Unidos e agora ela deslocou-se aos Estados Unidos para um “matabicho religioso” com o Donald Trump…

Por Domingos Kambunji

Ficámos sem saber qual foi o Trump que rezou com a Tchauzé. Foi que que é especialista no assédio sexual a mulheres? Foi o Trump racista que defendeu a pena de morte para cinco afro-americanos de Nova Iorque e mais tarde verificou-se que estavam inocentes? Foi o Trump racista que foi condenado em tribunal por discriminação racial nos seus negócios imobiliários? Foi o Trump que em pouco mais de dois anos já mentiu mais de oito mil vezes em discursos públicos?

Ou foi o Trump que foi obrigado a indemnizar, com 25 milhões de dólares , estudantes da universidade fraudulenta de que foi fundador? Foi o Trump que lucrou muitíssimos milhões de dólares com falências para não pagar às empresas que lhe prestaram serviços? Foi o Trump que é contra a imigração ilegal e foi desmascarado por ter empregado imigrantes ilegais nas suas empresas, para a mão-de-obra ser mais barata? Ou foi o Trump que designou por shitholes os países como aquele em que a Tchauzé enriqueceu à custa da pobreza de 20 milhões de angolanos?

A Tchauzé até parece que que quer competir com o Grande Marimbondo nas visitas privadas ao estrangeiro. A Tchauzé gastou muitos milhares de dólares para ir a Washinghton D.C. e nem sequer conseguiu tirar uma fotografia, para colocar nas redes sociais, com o demagogo que classifica países africanos, como é o caso de Angola, de shitholes.

A Tchauzé foi bangar nos Estados Unidos enquanto continuam a morrer de fome demasiadas pessoas em Angola. A Tchauzé foi desbundar em Washighton, como nova rica do Reigime Cleptocrático, enquanto continuam a morrer no nosso país pessoas devido a epidemias. A Tchauzé foi passear a vaidade na América do Norte enquanto em Angola continua a haver crianças a não ingressarem no sistema escolar por falta de instalações e docentes.

A Tchauzé foi passear o seu megalómano narcisismo matumbo na capital dos Estados Unidos porque a Reipública da Angola do MPLA continua a ser dos países mais atrasados do mundo no combate à corrupção (165 a nível mundial). A Tchauzé não foi dizer nos Estados Unidos que a Reipública da Angola do MPLA, em qualidade de vida, é dos países mais “pré-históricos” do planeta, situando-se no lugar 141 entre 149 países, devido à incompetência do seu papá e de outros marimbondos que o bajularam, desempenhando cargos de Ministro da Defesa, do inTerror, da Economia…

A Tchauzé não foi dizer nos Estados Unidos que o índice das finanças de Angola está classificado como “lixo”. A Tchauzé não foi lembrar os norte-americanos que Angola está em recessão enquanto os Estados Unidos, graças às políticas de Barack Obama, está com um crescimento económico de cerca de 4%. A Tchauzé não foi propagandear o elevado desemprego em Angola, devido à incompetência do seu papá e dos seus marimbondos herdeiros políticos, enquanto os Estados Unidos, graças às políticas de Barack Obama, do que a administração Trump beneficiou, está com um desemprego abaixo dos 4%.

A Tchauzé não foi buscar a “Califórnia para a implantar em Benguela” porque nem o JLo o conseguiu fazer, apesar de ter prometido durante a campanha eleitoral.

A Tchauzé também não foi a Washinghton D.C. para adquirir o Combóio da Liberdade de Abraham Lincoln, para o levar para as Lundas.

A Tchauzé só foi bangar a sua insignificância e futilidade.

Partilhe este Artigo