ANGOLA. O Ministério da Saúde de Angola indicou hoje ter confirmado, em Luanda, um caso aparentemente importado de Gripe A (H1N1) numa cidadã angolana que esteve recentemente no Brasil.

Em comunicado, o Ministério da Saúde refere que, perante a situação, “foram imediatamente mobilizados todos os subsistemas de Saúde” e os protocolos da Organização Mundial de Saúde (OMS), bem como accionados os mecanismos de prevenção e controlo.

“A doente encontra-se isolada e as pessoas que estiveram em contacto directo com ela apresentam exames negativos para o vírus, mantendo-se sob vigilância médica. Até ao momento, não se verificaram quaisquer outros casos da doença”, assegura.

Segundo o comunicado, o Ministério da Saúde “mantém-se atento e acompanha de perto o desenvolvimento da situação e exorta a população a manter-se “calma e serena”, uma vez que, segundo a OMS; o facto de se detectar um caso de Influenza A (H1N1) corresponde a um estado de alerta de nível 1, numa escala de 0 a 5.

A Gripe A (H1N1) é, alerta o departamento governamental angolano, uma doença “particularmente contagiosa”, porque se transmite por via aérea e através do contacto com objectos contaminados.

Nesse sentido, recomenda à população para adoptar várias medidas de prevenção, explicando que, no caso de se tossir, deve-se cobrir o nariz e a boca com um lenço, de preferência de papel. Se for de pano, deverá ser lavado com sabão e passado a ferro. Deve também lavar-se as mãos com água e sabão depois de espirrar e evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos sujas.

Se tiver febre, tosse ou falta de ar, deverá deslocar-se imediatamente ao centro de saúde mais próximo.

Como em Angola se aproxima a época do cacimbo (menos calor e humidade), o Ministério da Saúde recomenda o uso de roupas que protejam a região da garganta, peito e costas e evitar o consumo de bebidas geladas.

Lusa