ANGOLA. A companhia aérea angolana Sonair, subsidiária do grupo petrolífero Sonangol, vai deixar de garantir a ligação entre Luanda e Houston, nos Estados Unidos da América, a partir de Março, alegadamente por dificuldades financeiras.

A informação consta de uma nota da petrolífera norte-americana Chevron, que opera em Angola e que utiliza esta ligação aérea, referindo que o último voo Houston Express – ligação criada especificamente para as petrolíferas que operam no país – com partida de Houston está previsto para 28 de Março e o regresso de Luanda no dia seguinte.

A Chevron, que opera em Angola através da subsidiária Cabinda Gulf Oil Company (Gabgoc), garante na mesma informação que vai assegurar alternativas para o respectivo pessoal, admitindo que a decisão se justifica com “dificuldades financeiras e comerciais” vividas pela Sonair.

A decisão surge depois de a 1 de Maio de 2017, o primeiro voo Houston Express, antes exclusivo a empresas petrolíferas que operam em Angola, ter sido aberto ao público em geral, para reduzir o impacto da fraca procura, com a baixa do preço do barril do petróleo.

Uma comunicação da Sonair, subsidiária da petrolífera estatal angolana, divulgada nessa altura, referia que foi concedida à companhia, pelo Departamento de Transportes do Estados Unidos da América, a autorização para a abertura parcial do voo Houston Express, desde o dia 31 de Março, com efeitos a 3 de Abril.

O referido voo passou a ter um carácter semiaberto, com 80 lugares por voo, entre os 189 disponíveis, dedicados a passageiros públicos.

Angola, juntamente com a Nigéria, lidera a lista dos maiores produtores de petróleo da África subsaariana, mas desde finais de 2014 enfrenta uma forte crise financeira, económica e cambial, devido a quebra nas receitas da exportação petrolífera.

Lusa

Partilhe este Artigo