ANGOLA. O activista angolano Manuel Chivonde ‘Nito Alves’ manifestou-se hoje “solidário” com José Filomeno dos Santos, detido desde segunda-feira no Hospital Prisão São Paulo, defendendo “justiça limpa e democrática a quem comete crimes e não uma alegada perseguição”.

O activista, detido em 2015 no processo dos “15+2”, falava hoje aos jornalistas defronte da Cadeia do Hospital Prisão de São Paulo, em Luanda, onde se dirigiu para fazer entrega de uma “Carta com 10 regras de como viver em felicidade dentro de uma cadeia” ao filho do ex-Presidente angolano José Eduardo dos Santos.

Segundo Nito Alves, apesar de ser contra aquilo que classifica como “ditadura” do antigo Presidente angolano, está solidário com a situação de ‘Zenu’, como é conhecido localmente o ex-presidente do Conselho de Administração do Fundo Soberano de Angola.

José Filomeno dos Santos está em prisão preventiva desde segunda-feira, pelo seu envolvimento numa alegada transferência ilícita de 500 milhões de dólares para o exterior e por uma suposta má gestão do Fundo.

“Zenu encontra-se detido no Hospital Prisão de São Paulo, uma das cadeias onde já passei e praticamente não sabe as normas e regras de uma cadeia. Eu sinto muito por ele, do ponto de vista moral e na área dos direitos humanos”, disse o activista angolano.

“Quem comete um crime tem de pagar. Mas isso não significa que se tem de humilhar os filhos de José Eduardo dos Santos, não significa que tem de haver perseguição aos políticos que detinham o poder naquela era. Se cometeram [crimes], têm de pagar através de uma justiça limpa e democrática”, sublinhou.

Lusa

Partilhe este Artigo