O ex-Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, termina hoje a sua carreira activa de ditador e de político nunca nominalmente eleito durante 38 anos de poder absoluto e unipessoal, entregando o ceptro do poder no MPLA ao actual e por si escolhido chefe de Estado, João Lourenço.

A passagem de testemunho, ao fim de praticamente quatro décadas de poder absoluto, autocrático e cleptocrático, vai acontecer no VI Congresso Extraordinário do MPLA, que decorre no Complexo de Belas, a sul de Luanda, onde os 2.591 delegados têm como ponto único na agenda a eleição do já eleito João Lourenço, que é também o único candidato à sucessão de José Eduardo dos Santos e seu vice-presidente.

O processo eleitoral (ou seja, o processo de confirmação do candidato já eleito antes das eleições) terá iniciado às 11 horas, segundo informação do partido, devendo fechar uma hora depois, com a apresentação dos resultados eleitorais.

Na cerimónia de encerramento, com início marcado para as 14 horas, está prevista a apresentação do presidente eleito do MPLA, João Lourenço, e o seu primeiro discurso nas funções.

O conclave do MPLA põe fim a 39 anos de liderança de José Eduardo dos Santos – aos 76 anos, é a única função política que exerce -, depois de não se ter apresentado às, como habitualmente, fraudulentas e opacas eleições gerais de Agosto de 2017, deixando a Presidência da República 38 anos depois de a ter assumido, após a morte, em Setembro de 1979, do primeiro chefe de Estado, Agostinho Neto.

Ainda assim, o ex-Presidente da República alimentou a dúvida sobre a saída – foi eleito para um mandato de cinco anos no congresso de 2016 -, até que a anunciou, a 25 de Maio último, aos membros Comité Central do MPLA.

“Tudo o que tem um começo tem um fim”, disse na altura.

Do congresso extraordinário de hoje são de esperar mudanças nos órgãos do partido, como o Bureau Político, o Secretariado e o Comité Central, cuja composição, na sua essência, transitou do último congresso ordinário, realizado em 2016, sob proposta de José Eduardo dos Santos.

A bicefalia nas estruturas de poder em Angola – João Lourenço é Presidente da República e vice-presidente do MPLA e José Eduardo dos Santos o presidente do partido – vai, assim, terminar, desconhecendo-se até que ponto irá o futuro líder partidário mudar o “núcleo duro”.

Uma das várias incógnitas do congresso, que tem como lema “MPLA – Com a Força do Passado e do Presente, Construamos um Futuro Melhor”, é saber quem será o vice-presidente de João Lourenço no partido.

Por outro lado, tal como resumiu o académico angolano Fernando Manuel, além de se preverem mexidas nos “núcleos duros” dos diferentes órgãos do partido, um dos objectivos de João Lourenço deverá passar por dissipar a ideia da existência de fracturas internas.

Tudo, acrescentou, tendo em conta o que João Lourenço tem feito na área da governação, afastando-se das ideias e da teia em redor de José Eduardo dos Santos, e da qual foi também acólito activo e servil, sem que isso possa afectar a unidade do MPLA e, sobretudo, o “núcleo duro” que se mantém ligado ao ainda líder do partido e ex-Presidente de Angola.

A “transição” do “arquitecto da paz” (que também o foi da guerra), como se refere o MPLA a José Eduardo dos Santos, que tem recebido inúmeras homenagens um pouco por todo o país nos últimos dias, para as mãos de João Lourenço tem sido alvo de algumas tensões internas no partido, que, tal como referiu Fernando Manuel, têm agudizado “as insinuações da existência de clivagens no seio do MPLA”.

Em 7 de Julho, no lançamento do congresso, o secretário-geral do MPLA, Paulo Kassoma, adiantou que o conclave terá como ponto único da agenda de trabalhos a conclusão do “processo de transição política na presidência” do partido.

Folha 8 com Lusa

Partilhe este Artigo