Alcides Sakala Simões, membro da Direcção da UNITA, saudou hoje, terça-feira, a iniciativa que visa – calcula-se – a retoma legal do processo de exumação e inumação dos restos mortais do fundador do partido, Jonas Savimbi.

Os restos mortais de Jonas Savimbi, morto em combata a 22 de Fevereiro de 2002, foram enterrados no dia seguinte, no cemitério municipal da cidade do Luena, sede provincial do Moxico.

Alcides Sakala falava ao Jornal de Angola, em reacção a um comunicado do Ministério do Interior em resposta às declarações do presidente da UNITA, Isaías Samakuva, que acusou o Executivo de estar a impedir a realização de um funeral condigno de Jonas Savimbi.

Isaías Samakuva, que falava sexta-feira última na cerimónia que assinalou o aniversário natalício de Jonas Savimbi, voltou a acusar o Estado angolano de manter Savimbi preso, mesmo depois de morto.

Em reacção, o Ministério do Interior recordou que o líder da UNITA escreveu, a 11 de Dezembro de 2014, uma carta ao então Presidente da República, José Eduardo dos Santos, a solicitar um interlocutor do Governo no processo de exumação e inumação dos restos mortais de Savimbi.

Segundo o comunicado, o então Chefe de Estado indicou o Ministério do Interior como representante do Governo no processo, enquanto a UNITA seria representada pelo então seu vice-presidente, Ernesto Mulato, na sua qualidade de coordenador da comissão das exéquias do líder-fundador da UNITA.

A nota precisa que o ministro do Interior reuniu-se, em Maio de 2015, com o vice-presidente da UNITA, Ernesto Mulato, acompanhado dos integrantes da comissão, incluindo um dos filhos de Jonas Savimbi, Rafael Savimbi.

“No encontro, a delegação da UNITA apresentou um caderno de encargo sobre as exéquias do Dr. Jonas Savimbi, que previa actividades até ao primeiro trimestre de 2016, e manifestou que fossem realizadas diligências no sentido de ser localizado o sítio onde foi enterrado o general António Dembo, bem como apresentar o cidadão que dizia que conhecia o local”, indica o comunicado.

O Ministério do Interior afirma, no seu comunicado, que isso não aconteceu, “não obstante terem ocorrido outros encontros, quer com o presidente Samakuva, com o vice-presidente Raul Danda, com o presidente da Bancada Parlamentar da UNITA, Adalberto Costa Júnior, entre outros, para a abordagem de questões pontuais”.

No comunicado, o Ministério do Interior volta a manifestar a sua disponibilidade de continuar a tratar do assunto, nos termos da orientação política do Executivo e dos resultados dos encontros mantidos com a direcção da UNITA.

Neste quadro, o Ministério do Interior escreveu ao presidente da UNITA a dar conta da sua disponibilidade em que o processo seja retomado.

Num outro sentido, o Ministério do Interior disse que a direcção da UNITA não enviou os documentos referentes ao processo, que não aborda o assunto no mecanismo da comissão criada e que, provavelmente, o então vice-presidente da UNITA, Ernesto Mulato, não tenha transferido o processo para o actual vice-presidente, Raul Danda.

Ao Jornal de Angola, Alcides Sakala Simões confirmou que a comissão, do lado da UNITA, continua a ser coordenada por Ernesto Mulato. “Vamos tomar novas iniciativas”, prometeu.

Recorde-se que o líder da UNITA, fazendo eco do sentimento generalizado dos militantes e simpatizantes do seu partido, lamentou que o Estado angolano (MPLA) continue a reter os restos mortais de Jonas Savimbi, facto que Isaías Samakuva disse constituir “um testemunho gritante da política de exclusão entre irmãos”. Isto, é claro, no ingénuo pressuposto de que o MPLA considera irmãos todos os que não militam nas suas fileiras.

Numa intervenção pública em Viana, destinada a assinalar que, se fosse vivo, Jonas Savimbi, primeiro presidente e fundador da União Nacional da Independência Total de Angola (UNITA), teria 84 anos, Isaías Samakuva acrescentou que a atitude do MPLA (partido que governa o país desde 1975) “simboliza a necessidade imperativa da genuína reconciliação nacional”.

“A prisão dos restos mortais do co-fundador da República de Angola constitui um testemunho gritante da política de exclusão entre irmãos e simboliza a necessidade imperativa da genuína reconciliação nacional, que a República ainda luta contra si própria e que os angolanos ainda não são um só povo, uma só Nação”, sublinhou Isaías Samakuva.

“Não há razão alguma para que o Estado angolano mantenha Jonas Malheiro Savimbi preso mesmo depois de morto. Porque é que os restos mortais de Jonas Savimbi foram capturados pelo Estado angolano? Porque é que se prende um morto”, questionou.

Para Isaías Samakuva, há que “ultrapassar” a situação e criar uma “nova atitude” perante a Pátria e perante o futuro, uma vez que, disse, uma “Angola unida e reconciliada será mais forte, mais legítima e mais rica”.

Nesse sentido, o líder da UNITA apelou ao Presidente angolano, general João Lourenço, para “capitalizar o momento histórico” e “potenciar as pontes de diálogo” para um novo pacto social “que conduza a uma efectiva reconciliação nacional”.

“Hoje, 50 anos depois, não devemos nunca mais perder de vista o essencial. O essencial é reconhecermos que todos os povos tiveram as suas guerras fratricidas e que não há guerra que não destrua. O essencial é reconhecer que, em todas essas guerras de irmãos, em todos os conflitos de família, não há apenas um único culpado. Das nossas guerras e destruições, dos futuros mutilados e dos sonhos destruídos, culpados somos todos, responsáveis somos todos e vítimas somos todos”, frisou.

Para Isaías Samakuva, a luta pela construção do país só será bem-sucedida se todos a fizerem com “patriotismo, sentido de nação plural e grandeza moral”.

Segundo o responsável máximo da UNITA, “não há razão alguma que justifique” que os feitos históricos de Jonas Savimbi, reconhecidos por África e pelo mundo, “não sejam reconhecidos formalmente pelo Estado angolano que ele próprio ajudou a erigir e do qual é co-fundador”.

“Savimbi foi um homem culto, abnegado e destemido, que marcou de forma decisiva e inapagável o curso da História política de Angola e da África Austral. Amado por muitos, odiado por outros, mas respeitado por todos, Savimbi deixou-nos um legado que devemos estudar”, sublinhou.

“Honrar hoje a memória de Jonas Malheiro Savimbi significa estabelecer imediatamente as autarquias locais. Significa fiscalizar e auditar a dívida pública, reduzir a inflação, parar com os roubos e com a impunidade daqueles que utilizam o Estado para se governarem a si próprios”, defendeu.

Para Isaías Samakuva, honrar Savimbi significa também “transformar radicalmente” os sistemas de educação, de saúde e nacional de segurança social, canalizar os investimentos produtivos para o interior do país, “parar o crescimento anárquico” de Luanda e promover a criação de cidades ecológicas, economicamente sustentáveis.

“O maior legado de Jonas Malheiro Savimbi é sem dúvida a conquista da nacionalidade angolana para todos os povos de Angola”, concluiu.

Folha 8 com Angop

Partilhe este Artigo