Algumas dezenas (dois ou três na versão oficial) de jovens manifestaram-se hoje no Cacuaco, arredores de Luanda, exigindo a libertação de outros sete activistas condenados em Abril a 45 dias de prisão, protesto que, relataram, terminou com detenções e agressões.

De acordo com activistas do autodenominado Conselho Nacional dos Activistas de Angola, o protesto de hoje foi travado pela polícia do MPLA e pelo menos cinco dos manifestantes foram levados pelas forças de segurança, desconhecendo-se os motivos.

“Agora viemos aqui para a frente ao tribunal do Cacuaco para exigir a libertação destes cinco jovens, que foram levados por esta polícia autoritária”, afirmou Nito Alves, um dos organizadores do protesto de hoje e que integra o grupo de 17 activistas que em Março de 2016 foram condenados pelo tribunal de Luanda a penas de prisão de até oito anos e meio.

“Partiram a cabeça de um jovem e outros foram agredidos. Nós só queríamos exigir a libertação dos sete que foram detidos em Abril”, acrescentou o activista.

Sete outros activistas foram condenados a 19 de Abril pelo tribunal de Cacuaco a penas de 45 dias de prisão efectiva, por resistência às autoridades, ao tentarem manifestar-se contra alegadas irregularidades no processo de registo eleitoral, que antecede as eleições gerais de Agosto, mas também para alertar para as dificuldades dos jovens daquele município da capital, nomeadamente a falta de emprego.

De acordo com o secretário-geral do Conselho Nacional dos Activistas de Angola, António Kissanda, os sete jovens têm idades entre os 25 e os 35 anos. Foram detidos na manifestação realizada a 17 de Abril e três dias depois começaram a cumprir pena, na cadeia de Comarca de Viana.

Foram ainda condenados a pagar, cada um, multas de 65.000 kwanzas (365 euros), indicou António Kissanda, acrescentando que são estudantes universitários, músicos de intervenção e activistas.

“O grupo que se estava a manifestar era maior, mas quando a polícia os levou eram oito. Entretanto, no outro dia, durante o transporte da esquadra da polícia para o tribunal, um dos elementos conseguiu fugir e foram condenados sete”, explicou anteriormente secretário-geral do Conselho Nacional dos Activistas de Angola.

Foram condenados à revelia e, por não terem assistência jurídica, a condenação não foi alvo de recurso, indicaram os activistas.

“Resistimos à força que a polícia nos apresentou, porque é um direito na nossa Constituição. Não somos criminosos para fugir, esperávamos que a polícia estivesse lá para nos proteger”, disse.

A este propósito recorde-se o texto do voto de condenação contra as autoridades angolanas apresentado ontem, sexta-feira, pelo Bloco de Esquerda no Parlamento português e que, como se previa, foi rejeitado pela extensa coligação PCP, PS, PSD e CDS:

“No dia 17 de abril a polícia angolana reprimiu violentamente uma manifestação em Cacuaco, município na periferia de Luanda, levando à prisão de 7 pessoas que exigiam emprego e melhores condições de vida, assim como a realização de eleições livres e transparentes em Angola.

António Mabiala, Nzenza Mabiala (“Luston”), Paulo Mabiala (“DMX”), Adão Bunga (“Mc Life”), Valdemar Aguinaldo (“27 de Maio”), Mariano André e David Saley , foram julgados em processo sumário por alegado desacato às autoridades e condenados pelo tribunal municipal de Cacuaco, no dia 19 de abril, a 45 dias de prisão e multa de 75’000 Kwanzas que estes jovens e as suas famílias não têm como pagar.

Os jovens foram enviados para as prisões de Viana, Kakila e Kalomboloko, locais onde falta água, comida e assistência médica. Os familiares dos jovens relatam ainda dificuldades em visitar e prestar assistência aos presos da manifestação de 17 de abril.

Esta não é a primeira manifestação violentamente reprimida pelas autoridades angolanas este ano. Ainda no passado dia 24 de fevereiro, as forças de segurança reprimiram uma manifestação de jovens ativistas em Luanda, entre eles Hitler Samussuko e Luaty Beirão, dois ativistas perseguidos no processo “15+2”. Vários ficaram feridos pelos cães de polícia soltos contra eles.

Já nessa altura os manifestantes denunciavam a falta de transparência e existência de irregularidades no processo eleitoral para as eleições gerais previstas para 23 de agosto de 2017. Não pode haver eleições livres e justas sem liberdade de expressão e reunião, condições basilares do exercício da democracia.

Assim a Assembleia da República, reunida em plenário, condena a perseguição sistemática aos ativistas cívicos em Angola, a repressão e a violência sobre as manifestações e o desrespeito pelos princípios da liberdade e da democracia.”

Folha 8 com Lusa
Foto: Arquivo

Partilhe este Artigo