Sou um “livrólatra”. Tenho vício em livros. Começo um, devoro e já parto para outros. Não posso evitar. Devo admitir que o momento de pós-leitura é melhor do que a leitura em si, pois passo a diagnosticar os motivos pelos quais o enredo chegou ao clímax.

Por Gabriel Bocorny Guidotti
Jornalista e escritor
Porto Alegre – Brasil

Reflectir faz parte dessa arte léxica. Assim posto, o meu gostar de livros é condicionado: jamais cederei à literatura digital. A experiência não tem a mesma tenacidade, em minha opinião.

Durante a semana observei, dentro de um ónibus, alguns jovens usando aparelhos de ebooks. Sem temer olhares paralelos, eles liam arquivos que outrora eram impressos e colocados com orgulho na estante.

Parei para pensar. Será que os livros electrónicos vão acabar com o bom e velho livro em sua forma ortodoxa? Será que todo papel, por uma questão de praticabilidade, será substituído por um link dentro de computadores?

Desde Gutenberg, fundador da prensa gráfica – que permitiu a propagação de um imenso universo literário – o homem deu asas à criação. A comunicação escrita, restrita então às classes dominantes, viu na impressão uma expansão por todos os cantos da Europa e do mundo.

E tal evolução permanece em constante movimento, pois os impressos, tidos como grande referência de conhecimento, tiveram de se adaptar às novas tendências, ganhando outros formatos e se propagando pelo meio digital.

Ebooks, desse modo, são a prensa gráfica do século XXI. Se eles vão amealhar corações e acabar com a forma tradicional de leitura? Bem, o futuro dirá. Jamais se pode condenar a tecnologia, pois ela surge para nos auxiliar. A inovação sempre será uma opção. Você pode utilizá-la ou não. Eu já optei. Tocar o papel, sentir o cheiro de um livro novo, manusear as páginas do conhecimento… o livro impresso é mais que uma mera circunstância de leitura.

Um livro digital pode ser carregado em um mínimo pen drive. Mais do que isso, dentro de leitores digitais é possível armazenar milhares de títulos e explorar universos que vão muito além da tela de cristal líquido.

Os impressos, entretanto, são cult e carregam as memórias de um passado brilhante. Observar suas capas, escolher entre um e outro num jogo de encontros e desencontros são factores diferenciais para leitores assíduos como eu. Um caso de amor, diga-se de passagem, para a vida inteira.

Partilhe este Artigo