Nós fartamo-nos de rir, com um sorriso muitíssimo amarelo, cada vez que entregam os prémios de jornalismo, em Angola. Se o premiado não for aquele jornalista da TPA é um outro jornalista da TPA.

Por Domingos Kambunji

A liás, se o premiado não for este jornalista da RNA é um outro jornalista da RNA. Se o premiado não for este jornalista do JA é aquele jornalista do JA. Se o premiado não for este ou aquele jornalista da Angop, é um outro jornalista da Angop.

Recentemente foram entregues os prémios de jornalismo 2015, em Angola. Admiração geral!… Os prémios de jornalismo foram entregues a funcionários do Reigime a desempenharem funções na TPA, na RNA, no JA e na Angop.

Digam lá, não é de ficarmos admirados com esta inovação do MPLA?

A nossa maior indignação reside no facto de esses prémios de jornalismo não terem sido todos atribuídos ao Ministro da “Cumunicação”. Ou a sua Excelência o Presidente tepressor de todas as manifestações e rantos, o Senhor Engenheiro José Eduardo dos Santos. Que não se esqueça a população que este senhor é o leitor dos discursos sobre o Estado da Nação!…

Do que nós também nos rimos, ainda mais, é daquele jornalista, gordo, da TPA, que usa vozes muito abdominais para informar sobre o combate aos problemas sociais, pensando assim que é muito competente na tentativa de agradar ao Presidente.

Ele garante que os “Revus” estavam a planear um Golpe de Estado, porque encontraram, nos bolsos dos seus calções, muitas fisgas e a promessa de receberem cem milhões. O homem não é maluco, engrossa a voz para tentar disfarçar que, política e socialmente, não é eunuco. Ficámos admirados por ele não ter sido um dos contemplados…

Há alguns dias, numa conversa totalmente informal, um amigo nosso confidenciou:

– Tanto quanto sei, o que o MPLA manda especular nos órgãos de propaganda e informação e nos tribunais passa a ser Lei. Quem tentar provar que os órgãos de informação e os tribunais não actuam de boa fé, pode vir a servir de alimentação a um jacaré.

Imaginem só esta hipótese, muito remota: O Reigime da batota decidiu premiar o Rafael, o William, o Página Global, o Club-K… Isso é impossível porque o Reigime e o seu Presidente sabem que é um enorme perigo premiar a actividade de gente inteligente.

Em Angola, os Prémios Pulhaitzer só podem ser atribuído a quem fizer com que o Reigime perdure eternamente, sempre com o mesmo tipo de Presidente. O Júri dos Prémios Pulhaitzer sabe que as leis da vida vencem sempre os grandes senhores ditadores da agiotagem. O Reigime pensa estar preparado para activar, quando necessário, os mecanismos, cientificamente muito abjectos, para efectuar a clonagem dos seus chefes predilectos.

Os jornalistas António Ferreira (Jornal de Angola), Elsa Cassueca (TPA), Rosário Fernando Manuel dos Santos (Angop) e Osvaldo da Paixão (RNA Cuanza Norte) foram os grandes vencedores este ano do Prémio Nacional de Jornalismo.

Foto: José Luís de Matos, ministro da Comunicação Social do regime.

Partilhe este Artigo