Pelo menos 26 pessoas morreram e 136 ficaram feridas nas explosões de hoje de manhã no aeroporto Zaventem e na estação de metro de Maelbeek, em Bruxelas, segundo um novo balanço provisório das autoridades.

No aeroporto, 11 pessoas morreram e 81 ficaram feridas, segundo números confirmados pela ministra da Saúde, Maggie De Block, à televisão pública RTBF.

Na estação de metro, pelo menos 15 pessoas morreram e 55 ficaram feridas, 10 das quais estão em estado grave, segundo um “balanço provisório” da empresa que explora o metropolitano, STIB.

Duas explosões, uma das quais “provavelmente provocada por um atacante suicida” segundo o procurador belga, registaram-se hoje de manhã no aeroporto e uma outra na estação de metro de Maelbeek.

Entretanto o presidente de França, François Hollande, considerou hoje que “toda a Europa foi atingida” com os ataques desta manhã em Bruxelas.

Em comunicado, Hollande afirmou que a Europa deve tomar “as disposições indispensáveis face à gravidade da ameaça”, sublinhando que França, “ela própria atacada em Janeiro e Novembro passados, assume inteiramente a sua parte”.

França, alvo de atentados terroristas em Janeiro e em Novembro de 2015, voltou hoje a apelar ao reforço do combate ao terrorismo na Europa, após um Conselho de Ministros convocado de emergência para avaliar os ataques em Bruxelas.

À imprensa, o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, anunciou o destacamento de 1.600 polícias e militares suplementares.

“Estamos em guerra e em face dessa guerra é precisa uma mobilização a todos os níveis”, disse o ministro, sublinhando a necessidade de “reforçar ainda mais a coordenação na luta” contra o terrorismo.

Notícia em actualização

Partilhe este Artigo