A Via expresso Cabolombo/Viana e Cacuaco, em Luanda, foi designada, por ordem expressa de sua majestade o rei de Angola, Comandante em Chefe da revolução Cubana, Fidel de Castro Ruz, falecido no passado dia 25 de Novembro, em Havana, vítima de doença, e velho amigo do MPLA.

O baptismo foi presidido pelo Ministro do Estado e Chefe da Casa de Segurança do Presidente da Republica, Manuel Hélder Viera Dias “Kopelipa”, que descerrou a placa, na presença da comunidade cubana residente em Angola, com destaque para a embaixadora Gisela Garcia Ribeiro.

Ao intervir na cerimónia, “Kopelipa” indicou que o governo do MPLA rende uma singela homenagem de respeito e admiração da grandeza da figura de um dos maiores políticos e estadistas que mais marcou o século passado e que foi, de facto, fundamental para a instauração em Angola do regime esclavagista que por cá anda desde 1975.

“Não vemos apenas um antigo presidente, um chefe de estado amigo, mas sobretudo uma personalidade política que pela sua visão, clarividência e pela perseverança nas suas ideias e actuação é considerado no plano interno de Cuba o líder da revolução cubana,” frisou “Kopelipa” num panegírico reservado em exclusividade aos estrangeiros que ajudaram a matar milhares de angolanos.

“Kopelipa” fez uma narração histórica da importância da via para as acções militares, realçando que a Via Expresso teve grande servidão militar, no que toca a ligação da retaguarda com a frente militar de onde se desenrolou a batalha do Kifangondo.

O Ministro de Estado disse que a referida batalha foi crucial para a proclamação da independência de Angola a 11 de Novembro de 1975 pelo MPLA, onde se registou um agrupado de tropas na operação denominada “Carlota” levado a cabo pelos combatentes cubanos no interesse de defender o MPLA e os seus simpatizantes, muitos dos quais viriam a ser assassinados, no 27 de Maio de 1977, por ordem do grande amigo de Fidel Castro e patrono de “Kopelipa”, de seu nome António Agostinho Neto.

Ainda no quadro da serventia desta estrada disse que a mesma construída na sua versão actual a partir da zona de circulação, durante o período de luta pela conquista do poder pelo MPLA, serviu inicialmente como via de fornecimento e evacuação logística entre a guarda militar e posteriormente de controlo na zona militar de Luanda e Cuanza Bengo.

“Kopelipa” explicou que actualmente é uma via estruturante que para além das funções de colectar as estradas nacionais e de ordenamento urbano, tem também a apropriação sócio-económica envolvida por condomínios habitacionais , universidades centros comerciais recintos desportivos e uma gama de actividade económica que mudou o quotidiano da vida do cidadão em Luanda, tudo graças a Fidel Castro.

Partilhe este Artigo