Imbecis e criminosos

Estávamos em 2015. Ainda o Luanda Leaks saltava de um lado para o outro nos testículos dos seus “pais”. A Comissão Parlamentar portuguesa de Inquérito à gestão do BES solicitou a Paulo Morais que lhes enviasse os nomes dos beneficiários com créditos do BES (Angola). O então vice-presidente da associação cívica Transparência e Integridade fez chegar aos deputados vários exemplares do Folha 8. Os parlamentares portugueses foram aos arames. Só costumam ler o Pravda, o Boletim Oficial, do regime.

Por Orlando Castro

E assim aconteceu. Os deputados receberam o “Anexo 1 (lista de documentos), anexo 2 (lista de beneficiários), anexo 3 (USB drive)”. Ao verificaram o conteúdo, os parlamentares portugueses – sobejamente habituados a que outros trabalhem por eles – entraram em pânico e manifestaram o seu incómodo. Alguém estava a passar-lhes um atestado de menoridade intelectual.

Também dessa vez esperavam que que a papinha estivesse toda feita e que, por isso, fosse apenas necessário sorrir e – de vez em quando – dar um ar sério do estilo de quem muito labuta na matéria. Como acontece na maioria das comissões de inquérito, é fácil e barato brilhar à custa do trabalho dos outros.

Paulo Morais trocou-lhes as voltas e, implicitamente, disse-lhes que se queriam as bolotas tinham de trepar. Se os deputados da nação lusa ficaram entalados ao verificar que a lista de beneficiários não estava assinada, como pretendiam, pelos próprios visados, entraram em pânico por o vice-presidente da associação cívica Transparência e Integridade lhes dizer que parte desses nomes foi revelada pelo Folha 8.

Por outras palavras, Paulo Morais disse-lhes que eram incompetentes, mandriões e imbecis. Isto porque, se os nomes eram públicos a partir do momento em que foram revelados pelo Folha 8, o que andaram a fazer os deputados dessa comissão de inquérito? Estavam, como muitos supostos jornalistas de investigação, à espera que um qualquer Rui Pinto reunisse a documentação e a fizesse chegar a um qualquer consórcio de jornalistas, políticos ou excelsas meretrizes.

Que chatice para quem, na Assembleia da República, só lê o Pravda do regime angolano ou, se preferirem, o Boletim Oficial. Perante esta demonstração da sua incompetência, os deputados atiraram a pedra e esconderam a mão. Passaram a sua indignação, parafraseando António Barreto, aos ex-assessores agora chamados de “Press officers e Media consultants”, os tais que “falam todos os dias com os administradores, directores e jornalistas das televisões, das rádios e dos jornais e escrevem notícias com todos os requisitos profissionais, de modo a facilitar a vida aos jornalistas”.

“Press officers e Media consultants” que, citando ainda António Barreto, “mentem de vez em quando, exageram quase sempre, organizam fugas de imprensa quando convém, protestam contra as fugas de imprensa quando fica bem, recompensam, com informação, os que se conformam, castigam, com silêncio, os que prevaricaram. São as fontes. Que inundam ou secam.”

É claro que tanto os deputados, com excepção – na altura – dos do Bloco de Esquerda, como os “Press officers e Media consultants“ puderam ficar descansados. O perigo só chegaria – como o Folha 8 escreveu em 13 de Março de 2015 – quando José Eduardo dos Santos passasse, como outros, de bestial a besta. Até lá a manjedoura do regime continuaria à disposição.

“A estupefacção e o incómodo dos deputados deve resultar do facto de muitos destes nomes já serem públicos e terem sido ignorados pela Comissão Parlamentar de Inquérito ao BES”, disse Paulo Morais, acrescentando que “os deputados nem sequer os conheciam ou, se os conheciam (o que se esperaria), porque não confrontaram os administradores do BES com esta informação?”

“Parece uma pescadinha de rabo na boca: o dirigente da associação Transparência e Integridade, Paulo Morais, disse que “não é difícil perceber quem são os destinatários dos empréstimos concedidos pelo BES Angola”, escreveu o jornal português Público.

E acrescentou que “a comissão parlamentar de inquérito ao BES pediu-lhe, então, que fornecesse os dados que possuía. A resposta chegou na segunda-feira, com uma lista de nomes, sim, mas baseada em artigos de um jornal angolano, o Folha 8, e nas próprias palavras de Paulo Morais, em três programas da CMTV e num artigo de opinião que publicou no Correio da Manhã”.

Pressupunha o Público, como outros, que a lista de nomes baseada, nomeadamente, “em artigos de um jornal angolano, o Folha 8” não tinha credibilidade. Hoje até os cegos – alguns dos quais continuam no Público – conseguem ver que tínhamos razão.

Escreveu o Púbico: “Junto, como solicitado, documentação relativa aos beneficiários de empréstimos por parte do Banco Espírito Santo – Angola (BESA)”, diz a folha de rosto endereçada a Fernando Negrão, o presidente da comissão de inquérito. Um pouco abaixo da assinatura de Paulo Morais surge a descrição dos “anexos”: “Anexo 1 (lista de documentos), anexo 2 (lista de beneficiários), anexo 3 (USB drive)”.

Na página seguinte, pormenoriza o jornal, surgem, numerados, os “documentos”: “Jornal Folha 8 17/5/2014”, por exemplo, ou “Programa CMTV Fogo Contra Fogo 5/3/2015”. São oito, no total. Quatro edições do Folha 8, um jornal dirigido por William Tonet, jornalista, advogado e militante da Convergência Ampla de Salvação de Angola – Coligação Eleitoral (CASA-CE). Três programas da CMTV, Fogo Contra Fogo, em que Paulo Morais debate a actualidade com Marinho e Pinto. E uma crónica de Paulo Morais no Correio da Manhã.”

Mais: “São estes os únicos “documentos” que Paulo Morais entregou à comissão. O citado “anexo 3 (USB drive)” contém, de novo, os mesmos documentos, em versão integral. Mesmo que isso tenha poupado aos deputados o trabalho de pesquisarem em arquivos e hemerotecas o que estaria dito e escrito nos media citados, não parece haver, em São Bento, grandes motivos para agradecimentos.”

Continuemos com o Público: “É que a lista de nomes fornecida, de 15 pessoas (uma das quais faleceu em Janeiro de 2013), é apenas suportada pelas próprias denúncias de Morais e Tonet, amplamente conhecidas (até porque estavam divulgadas nos meios de comunicação social agora apresentados como suporte). Não é fornecido um único documento que sirva de fonte primária ou que permita perceber como o jornal Folha 8, e o vice-presidente da Transparência e Integridade, chegaram àqueles nomes e não a outros.”

Certamente quando o jornalista do Público, José António Cerejo, revelou à época a divida de Pedro Passos Coelho à Segurança Social portuguesa apresentou algum “documento que sirva de fonte primária ou que permita perceber como o jornal Público chegou” à conclusão de que, de facto e de jure, havia essa dívida. Certo? Não. Errado.

O Folha 8, tal como – presumimos – o Público, não tem que revelar as suas fontes, sejam elas primárias ou não.

No número 7 do Código Ético e Deontológico dos Jornalistas do Folha 8 pode ler-se: “O jornalista não deve revelar, mesmo em juízo, as suas fontes confidenciais de informação, nem desrespeitar os compromissos com elas assumidos. A não revelação das fontes é, aliás, uma das razões pelas quais vale a pena ser preso.”

Dizia o Público, que “a Comissão decidiu, por unanimidade, pedir esses documentos e a lista de devedores, com o objectivo de os fazer chegar ao Ministério Público, que investiga a ruína do BES. O que recebeu não são provas, são outras versões (em papel e em vídeo) das mesmas denúncias que tinham sido feitas pela rádio.”

Já agora, deixamos à consideração dos deputados portugueses, bem como dos “Press officers e Media consultants“, uma basilar definição do que, cá em casa, consideramos ser fundamental: Se um jornalista não procura saber o que se passa, é um imbecil. Se sabe o que se passa e se cala, é um criminoso.

Mesmo não revelando as nossas fontes, primárias ou não, recusamo-nos a ser imbecis e, ou, criminosos. Nós fazemos o nosso trabalho. Já agora, que os deputados portugueses (e alguns jornalistas) façam o seu. Investiguem e não vão a reboque de um qualquer “hacker”.

Artigos Relacionados

5 Thoughts to “Imbecis e criminosos”

  1. Beto

    “Incompetentes, mandriões e imbecis”. Já Eça de Queirós no final do séc. 19 havia descrito os compatriotas nessa mesma linha, ao reclamar da injusta visão que os mesmos tinham do self made man brasileiro, estereotipado como a corporização de todos os defeitos: a grosseria, o mau gosto, o exibicionismo, a sandice, a ignorância, características que faziam dele, segundo Eça, “o grande fornecedor do nosso riso.” Sentenciou Eça: “E tu português não és formoso, etc. – és um mandrião!” O self made man angolano é hoje, em certa medida, visto em Portugal como era o brasileiro do séc. 19. Mudam-se os tempos, mudam-se os atores, e a história se repete em espirais que se tocam. Não se pode negar uma pontinha de inveja em alguns setores da sociedade portuguesa com a riqueza exibida pelos angolanos. A forma como obteram as suas riquezas já são outros quinhentos no debate.

    Eça de Queirós, “A Emigração Como Força Civilizadora”, pág. 17. Publicações Dom Quixote

  2. Carlos Rosa

    Como os políticos em Portugal se defendem e se aproveitam dos cargos para SACAREM o País!
    É assim que são Competentes e Leais na defesa da Corrupção!
    O POVO deve responder:
    – É destes políticos que gosta?
    – É nestes políticos que VOTA?
    – São estes políticos que quer continuar a ver nas decisões do País?
    Se não gosta de ser ROUBADO, de ver o seu País destruído e se protestou NÃO INDO VOTAR, Fez muito mal! NÃO IR VOTAR é como dizer ROUBEM À VONTADE! é como dizer que não tem vontade própria e que não se importa que destruam o País!
    A ÚNICA MANEIRA DE OS EXPULSAR É IR VOTAR NOUTROS!
    51% de Abstenção, se fossem todos VOTAR por exemplo no CHEGA era uma verdadeira Revolução! 4 anos depois, se não cumprissem, eram expulsos também! Não tenha Medo! CHEGA!

    Porque é que os Políticos NÃO QUEREM UMA LEI SEVERA CONTRA TODOS OS ENVOLVIDOS EM CORRUPÇÃO??? É por quererem um País mais Justo?, Com melhor qualidade de vida? Com impostos mais Baixos? Com um povo mais Feliz? Com melhor acesso à Educação, Saúde e Justiça? Não Tenha MEDO, VOTE NOUTROS! – Chega!

  3. Teremos de apoiar a constituição dum grupo que se proponha lutar contra a “canalha” que tem feito do nosso Portugal, criado e engrandecido por gente de HONRA, terra de “bandalhos”. Cada dia chega-nos mais um ……..
    Que tristeza sinto por ver “bandalhos” armar em gente de honra que não têm, nem nunca vão ter.
    Nasceram assim e temos de arranjar forma de os fazer pagar por tudo que fizeram a Portugal e o seu BOM POVO.

  4. Joaquim António

    Gostaria que Folha 8 escrevesse sobre os trabalhadores da Halliburton e do ministro que mandou esquecer a lei e ainda não foi exonerado.

  5. José Marques Bau

    Não há dúvida nenhuma que os partidos do sistema estão podres.
    Uma certeza deveriam ter os Portugueses. É de que o Drº Paulo de Morais e outros Portugueses ILUSTRES é que deveriam estar a governar Portugal.

Leave a Comment