Em Angola, um país com 20 milhões de pobres, com um analfabetismo elevado, com um sistema educativo classificado no lugar 132, a nível mundial, é compreensível, não normal, que haja pessoas com atrasos no processamento mental a acreditarem que um demagogo boçal é um grande intelectual.

Por Domingos Kambunji

É precisamente o que acontece com o Eduardo Magalhães, um dos maiores bajulinos do Zédu que agora está a atravessar um período de transição, depois de aceitar ser um contratado, para ser mais um assimilado, do JLo. Por outras palavras, mais um “ango-cubano” “cata-vento” em ideais e convicções, capaz de dizer que Angola faz fronteira com o Canadá e que o nosso país comprou o satélite Ango-Rússia 1, sabendo que não iria funcionar, apenas para ajudar a levantar a economia amorfa e atrasada da nova União Soviética.

O Eduardo Magalhães tem como referência, porto de partida e de chegada dos seus sofismas, a ANGOP, uma agência de notícias podre, fantasiosa, fanática e matumba. A agência de notícias que informou o mundo que a Malária estava em vias de extinção em Angola, quando continuam a morrer milhares de cidadãos angolanos com essa epidemia; que o lixo de Luanda iria dar lucro, quando todos sabemos que a reciclagem do lixo não dá lucro, visa apenas minimizar os prejuízos da poluição; que o José Eduardo dos Santos era um presidente muito inteligente e um líder muito competente, quando todos sabem que sempre foi corrupto, cobarde e incompetente; que a economia angolana estava muito diversificada, quando todos vêem que está atrasada, parasitada; que em Angola há democracia e liberdade de informação, quando os indicadores mundiais mostram que o país está classificado no lugar 125 em liberdade de informação e respeito pelos direitos humanos; que Angola entrou na era espacial com o lançamento do satélite (mudo) Ango-Rússia 1…

Enfim, são demasiados os disparates. Quem não estiver familiarizado com as contradições e mentiras dos “altos” dirigentes do MPLA e dos seus contratados e assimilados poderá pensar que tanta incompetência e propaganda demagógica é ficção.

O Eduardo Magalhães está muito zangado, anda por aí aos gritos e aos coices a manifestar-se contra o modo de funcionamento de uma agência de notícias europeia. Ele ainda não percebeu que essa agência de notícias não é paga pelo MPLA, não é da Angola do MPLA e não está castrada pelo MPLA.

Este tipo de intelectuais dos currais gostam muito de dar nas vistas e até são capazes de dizer que são jornalistas. Têm a mania da perseguição, ficam muito aborrecidos por as pessoas lhes lembrarem aquilo que realmente são, uma enorme aberração.

No seu vomitório, o Eduardo afirma que essa agência de notícias desrespeita o contraditório. Nós sabemos bem o que isso é, o pseudo-contraditório dos monangambés ao serviço da propaganda do Reigime da Angola do MPLA: Angola é uma potência regional – é dos países mais mal governados de África, ocupando o lugar 141, a nível mundial, em desenvolvimento geral; Angola é um bom exemplo de governação – ocupa o lugar 137, dos países mais mal governados em todo o mundo; o José Eduardo dos Santos, que teve como ministro o João Lourenço, era um homem honesto, iluminado, com grande lucidez – os filhos do Zédu, autorizados pelo Zédu, só roubavam 500 milhões de dólares de cada vez…

Acompanhamos a carreira profissional de jornalistas vencedores de Prémios Pulitzer. São pessoas simples, competentes e inteligentes. Fazem investigação para desmascarar a corrupção.

Em Angola não! Os Eduardos Magalhães revelam um narcisismo exagerado e matumbo, são incompetentes, megalómanos, coniventes e têm como função tentar esconder, ou disfarçar, a corrupção e a incompetência da governação.

Se a comunicação oficial da Angola do MPLA não fosse parasitada por tantos boçais, talvez não fossem tão vergonhosas as desigualdades sociais. O país não estaria tão mal classificado, num buraco muito profundo, com águas turvas e pútridas, no lugar 141, entre os piores dos piores em todo o mundo.

É de estranhar muito João Lourenço, governador-geral, ainda não ter promovido o Eduardo Magalhães a general!…

Partilhe este Artigo