Dizem que Tchauzé (nome com que ficou conhecida depois de ser exonerada por JLo) diz que anda a ser perseguida por um homem. Que calamidade, um homem a perseguir quem demonstra tanta futilidade nas suas aberrações intelectuais nas redes sociais?!

Por Domingos Kambunji

O pai da Tchauzé pagou a homens para perseguirem, espancarem, prenderem e matarem homens e mulheres de Angola, apenas porque defendiam a liberdade de pensamento e expressão, maior justiça social e democracia. Essas acções tinham por objectivo proteger o ninho de marimbondos-abutres onde enriqueciam a Tchauzé, o actual presidente da re(i)pública, João Lourenço, e outras aves e insectos de comportamentos e verticalidade abjectos.

A Tchauzé nunca se manifestou contra a corrupção e violação dos mais elementares direitos humanos, porque era empresária do MPLA com o dinheiro abifado pelo papá. Dava demasiado jeito enriquecer com a maior facilidade, apesar de revelar demasiada opacidade mental.

No ano de 1991, Rodney King, um trabalhador da construção civil na Califórnia, foi violentamente espancado pela polícia de Los Angels. Essa violência foi filmada e divulgada por um cidadão dos Estados Unidos, George Holliday, e provocou uma revolta social muito violenta. Após alguns retrocessos e avanços, essa brutalidade conduziu à condenação criminal dos polícias e a uma indemnização elevada para o violentado, pelos danos físicos e psicológicos que sofreu.

Na Re(i)pública da Angola do MPLA, os fuzilamentos de dezenas de milhar de angolanos no 27 de Maio de 1977, pelo MPLA, são considerados pelo actual governo do MPLA apenas como “excessos cometidos”! Acerca do tal “repatriamento de capital”… agora o JLo diz que irá demorar 10 ou 20 anos… O repatriamento será assim arquivado no esquecimento!

Na Re(i)pública da Angola do MPLA são muitíssimo numerosos os acontecimentos semelhantes, ou muito piores, ao espancamento de Rodney King, praticados pelos kapangas que protegiam e protegem o, sempre cobarde ditador, agora reformado por grande invalidez, papá da Tchauzé.

A Tchauzé calou-se e aconchegou-se ainda mais no berço dourado da cleptocracia que a protegia. JLo, actual Rei-Presidente, não soltou “faladura” contra a ditadura. O nojentamente famoso Rui, mangueira que apenas serviu para irrigar o crescimento nas plantações da roubalheira, ministro da injustiça e dos direitos desumanos, meteu o rabo entre as pernas, curvou-se perante a prepotência e foi todos os meses receber o gordo salário de monangambé da obediência.

Voltamos a recordar aqui que a Laurinda Gouveia foi brutalmente espancada pela “pulhícia” do MPLA. A OMA (Organização das Meretrizes de Angola), onde milita a Tchauzé, não fez banzé.

Os jovens adultos Cassule, Camulingue, Ganga, o miúdo Rufino António… foram fuzilados pelos kapangas do papá da Tchauzé. A Tchauzé não fez banzé e guardou o chulé para agora o usar nas campanhas de alucinações gritando que está a ser vítima de perseguições.

Nas Lundas são normais os fuzilamentos praticados por “pulhíciais” da Re(i)pública da Angola do MPLA. A Tchauzé acha normal que os familiares das vítimas dessa actividade criminal sejam indemnizados com um caixão, sacos de fuba e litros de óleo vegetal?… Depois continua tudo normal até aos próximos fuzilamentos pela “pulhícia”.

A Tchauzé frequenta botequins da Victoria’s Secret onde se podem comprar cuecas e outros acessórios muito rendilhados e caros. Enquanto a Tchauzé se vai passeando pelos hipermercados da vaidade e da futilidade, 86% das crianças angolanas, dos 0 aos 23 meses, não têm uma alimentação adequada. Dessas crianças, 75% não vivem em habitações com a qualidade mínima exigida. Nesta faixa etária, 71% das crianças não têm cuidados de saúde e 53.8% não bebem água potável.

A mãe da Tchauzé, uma pessoa que em declarações públicas balança entre o disparate e a estupidez, afirmou que o Zédu viveu sempre rodeado por abutres. Neste aspecto tem toda a razão. Ele era o comandante-chefe desse bando de aves saprófitas, onde parasitavam faustosamente as mulheres e ex-esposas do Zédu, os seus filhos e generais e o actual Presidente da Re(i)pública da Angola do MPLA.

Haverá maior hipocrisia? Não, não há! São estes os camaleões que dizem agora defender a democracia do MPLA… Dizem que os abutres não têm nojo de usar na alimentação carne em avançado estado de putrefacção!

Partilhe este Artigo