Angola registou no primeiro semestre de 2018 um total de 666 acidentes de trabalho, indicou hoje fonte oficial, referindo que os mesmos originaram igualmente indemnizações directas avaliadas em mais de 11,5 milhões de kwanzas (quase 37 mil euros).

A informação foi avançada pela inspectora-geral do Trabalho de Angola, Nzinga do Céu, dando conta que, desses acidentes registados em empresas públicas e privadas, 479 foram considerados leves, 278 graves e nove fatais, com o sector da indústria a liderar as ocorrências.

“Esses acidentes produziram também 56.395 dias perdidos e indemnizações em custos directos na ordem dos 11,5 milhões kwanzas”, disse em conferência de imprensa, em Luanda, de balanço das actividades desenvolvidas ao longo do primeiro semestre do ano.

Segundo a inspectora-geral do Trabalho de Angola, dos 666 acidentes de trabalho registados, o sector industrial lidera as ocorrências, com 230, sendo que os casos fatais registaram-se nos transportes, prestação de serviços e construção civil.

Nesse período, adiantou, a Inspecção do Trabalho registou também 7.739 infracções laborais, com o ramo do comércio a apresentar o maior número de irregularidades, seguido pelos sectores da prestação de serviços, indústria, hotelaria, construção, saúde, transporte e educação.

“O atraso no pagamento da segurança social, o qualificador ocupacional, o mapa de horário de trabalho, os exames médicos, os seguros contra riscos de acidentes de trabalho e as doenças profissionais foram os itens mais violados”, explicou Nzinga do Céu.

Lusa

Partilhe este Artigo