O Natal é uma festividade do Hemisfério Norte Ocidental por razões meteorológicas e de calendarização agrícola. É uma festa onde, um bocejo imenso sopra o bafo forte da harmonia, da irmandade entre povos e nações, d’uma certa espiritualidade universal; e na qual o mau hálito dos pensamentos preconceituosos, racistas, xenófobos e chauvinistas é derrogado.

Por Brandão de Pinho

É uma festa de todos os cristãos sem excepção mas também dos adeptos de todas as outras confissões.

Mas de certa forma é uma festa europeia pelo que América, Médio Oriente e Ásia estão fora.

E se quisermos ser mais radicais, o evento a 24, com os bordões da família; musiquinhas e enfeites; e prendas bem presentes, é uma festa dos países europeus católicos e protestantes. Excepto Espanha que transferiu estes lugares comuns para o Dia de Reis.

Já agora coloco uma nota mental para verificar – quando tiver vagar- se os ortodoxos gregos celebram a Saturnália Católica a 24 e em que moldes.

Mas é um facto que se disseminou mundo fora, e talvez bem. Todavia nos países nórdicos ainda há uma carga pagã reminiscente ao antigo feriado Yule do Solstício de Inverno pelo que sobre essas bandas poder-se-á afirmar com grande margem de segurança que o seu Natal não é bem Natal (até porque apesar de pescarem bacalhau estou certo que não o comem salgado e curado; a 24 talvez comam rena ou focas acompanhadas de líquens se for assim escrito o plural).

Por outro lado, de uma forma geral os variadíssimos ramos protestantes são tão puritanos, maioritariamente, e, anti-papistas, que se não lhes pode assistir o privilegio da genuína celebração natalícia -desde calvinistas, luteranistas, anglicanistas, evangélicos, pentecostais, baptistas, anabaptistas e tantos mais- pelo que estarão também de fora.

Por ventura talvez tenha sido esse, o único mérito da Operação Resgate, cujos imensos movimentos protestantes tinham tentáculos poderosos em Luanda, que espera-se, tenham sido cortados (talvez para uma metafórica Ceia de Natal das Autoridades Eclesiásticas Angolanas a acompanhar bacalhau e peru, também estes figurados).

Ou seja Natal, Natal… talvez só na ilha da Irlanda (excepto a parte inglesa); Reino Unido da Polónia e Lituânia; e nos países latinos excepto a Espanha como explicado e talvez a Bélgica que não será de todo um bom país latino e muito menos ladino. E a Roménia que não é bem latina pois só por ter uma língua que de acordo com os cânones é classificada -a custo- dessa forma, tal “per si” só, não basta.

Portanto, e ao abrigo deste espírito natalício, o Natal só conta como Natal nas regiões “neolatinifonas” e onde a Sacra Igreja Católica Apostólica Romana está instituída.

Eu já gostei muito mais do Natal do que gosto, e este é o último ano que tenho para desgostá-lo e desdenhá-lo por motivos pessoais pelo que tenho de me começar a preparar para me alienar como o resto do rebanho e deixar de Ser de alguma forma.

Causa-me repulsa dar e receber presentes e usar fórmulas e saudações de cumprimento alusivas a esta época. Detesto o desperdício de comida e um hipócrita e cínico sentimento de irmandade espiritual e sobrevalorização dos valores familiares. Detesto, nesta época, a TV. Os jornais. A enorme pocilga que são as redes sociais. Os mesmos hipnóticos, anestésicos, amnésicos e barbitúricos discursos de políticos, padres e bispos. Até acho que o natal é uma afronta – num estado laico – aos torcedores de outras religiões que não têm como fugir.

Se, meu caro leitor, conseguiu ler esta triste prosa até aqui desde já vos parabenizo (detesto este verbo) pois eu a custo consegui fazer a revisão e quase com vontade de auto-infligir-me alguma tortura medieva tanto foi o pedantismo, cinismo e empáfia. Agora vem a parte boa. Coragem meus caros.

Não sei se têm presente a ideia de que o frio, a fome, a humidade, a falta de luz, a esterilidade do meio molda as pessoas em gerações que se vão sucedendo umas às outras.

A Europa que resultou da queda do império romano mais ou menos a partir do ano mil era uma Terra de Ninguém. Violenta. Selvagem. Pobre. Perigosa. Ignorante. E profundamente atrasada e fanaticamente religiosa em relação sobretudo a um pujante, opulente e luminoso passado greco-romano.

Caso não saibam a escravatura e a exploração dos homens nos feudos arregimentados por nobres, de pouca nobreza é certo, era uma coisa integralmente normal por isso fico assaz agastado quando vejo e oiço angolanos a queixarem-se tanto deste processo – transversal a todas as sociedades e a todos os tempos- destilando ódio e dando de si uma imagem ridícula, pois acredito piamente – por mais politicamente incorrecto que seja- que homem que é homem vê-se nas dificuldades, nas quedas, nos falhanços; sempre com um sorriso, um gesto trocista, um comentário mordaz e canino, mas cetinoso e JAMAIS sem arranjar desculpas como a canalha.

Mesmo agora há escravatura. De certa forma quanto mais desenvolvido é um país mais escravos do dinheiro são os seus cidadãos. Muito sinceramente não considero digno de um Homem (agora na condição de espécie e não de género) enterrar-se em mecanismos de auto-comiseração para justificar os seus fracassos individuais ou patrióticos.

Aliás, se quisermos analisar com seriedade, os descendentes – caboclos na sua maioria- dos escravos que os maldosos portugueses transportaram do território que intelectualmente é Angola, para Vera Cruz e para a Nova Inglaterra, têm um nível de vida e uma formação que muitos angolanos certamente desejariam.

Portugal sempre foi um pequeno estado, mas o mais antigo da Europa. Um país Atlântico. A íltima nação da Europa de onde mais não se podia fugir a não ser de barco ou a nado. Fez o que pode, mas a acreditar no que disse o próprio Mo Ibrahim – cuja fundação homónima quer encorajar lideranças africanas assentes nessa coisa tão simples: dignidade; comportando melhorias económicas e sociais para os seus povos – se a África toda tivesse sido colonizada pelos malandros dos tugas, hoje, seria um continente muito mais desenvolvido. Incomparavelmente mais desenvolvido, lembro-me bem de ter lido isso há uma boa meia-dúzia de anos.

Dizia então – num exercício trocista levado ao extremo – que o Natal é uma coisa europeia.

Por isso mesmo leitor amigo tenham em atenção que Angola é para todos os efeitos de cultura latina, de matriz católica e de língua lusitana. Angola está mais próxima da cultura portuguesa do que da de demais nação africana, mesmo Moçambique. Quem negar isto poderá estar a ser néscio.

Relembro mais uma vez que o conceito de etnia, presentemente, à luz da boa ciência, valoriza sobremaneira a parte cultural e não pequenos e insignificantes detalhes proteicos como a produção de melanina.

Para terminar, muito sinceramente, sinto-me revigorado – agora que acabei este texto – pela possibilidade de me dirigir a algumas pessoas desta forma desnudada, pois sei que se conseguir influenciar uma ou duas que sejam e sucessivamente numa progressão geométrica, incontáveis mais, poderei transmitir os meus valores que acima de tudo são humanistas mas sempre intelectual e moralmente individualistas.

Todos os homens são iguais e é obrigação de cada um ajudar o seu irmão (ou numa perspectiva da Biologia Antropológica da Evolução, os seus primos distante). Às vezes basta uma palavra ou um sorriso. Estes sim presentes extremamente valiosos.

Boa Saturnália!!!

Partilhe este Artigo