A Administração dos Correios de Angola admitiu hoje que “dificuldades financeiras” estão a “atrasar a implementação dos 33 projectos estruturantes e emergenciais”, que constam do Plano Director do sector, que tem feito alguns investimentos com “recursos próprios”.

“O Plano Director dos Correios de Angola foi aprovado em 2015, dele constam 33 projectos entre estruturantes e emergenciais, mas a parte financeira não foi contemplada e sem dinheiro não se faz nada”, disse hoje Maria Luísa Andrade, presidente do Conselho de Administração dos Correios de Angola.

Em declarações à imprensa, no quadro das jornadas do Dia Internacional das Telecomunicações e da Sociedade de Informação, a dirigente apontou a “carência de meios rolantes” para o exercício da actividade de entrega de encomendas a nível do país, como algumas das “limitações do sector”.

“Precisamos dinheiro para comprar meios, porque não se faz correios sem meios de transporte e isso iria dar-nos um levantamento nas nossas receitas, por exemplo, termos uma frota própria que cobrisse o país todo. Agora sem a parte financeira ficamos amputados”, afirmou.

Mas, realçou, que têm estado a fazer algumas coisas com o investimento próprio, através de algumas contenções, que vão permitindo que paulatinamente se façam “algumas modificações, de alguns investimentos, com recursos próprios”.

Apesar desses “condicionalismos”, Maria Luísa de Andrade informou que as 60 estações postais dos Correios de Angola “continuam a funcionar” nas capitais, municípios e nalgumas comunas do país, e de forma a “reduzir custos” a administração está já a “informatizar algumas estações”.

“Neste momento, temos um número de 22 estações informatizadas, mas para um universo de 60, então falta-nos ainda um bocado, essa é a nossa aposta ligada às tecnologias de informação, porque hoje em dia não se faz nada sem a parte informática”, sustentou.

Segundo ainda a PCA dos Correios de Angola, a aposta no serviço de expresso logística pelo interior de Angola é também um outro desafio do sector, mas tem registado alguns “transtornos”, sobretudo devido ao estado das vias de acesso.

“Já conseguimos chegar ao centro e sul do país e estamos com uma pendência para o leste, devido ao estado das vias e mesmo para o litoral também, por isso temos estado a utilizar algumas companhias áreas e terrestres para o efeito”, adiantou.

Na ocasião, a responsável reiterou ainda que o lançamento do “Código Postal de Angola” deve acontecer até ao final do ano, decorrendo já trabalhos a nível de um grupo técnico, para que a sua apresentação aconteça numa primeira fase apenas em Luanda.

Das ideias às obras (por fazer)

No passado dia 29 de Janeiro, Maria Luísa de Andrade garantiu que o código postal vai ser lançado ainda este ano, afirmando que uma comissão multissectorial já trabalha na sua efectivação.

Como é normal, aqui as coisas não são para se fazer… são para se ir fazendo, o que aliás foi hoje confirmado pela mesma Maria Luísa de Andrade. Já no final de 2014 foi divulgada a intenção de Angola elaborar um código postal nacional (Código de Endereçamento Postal), para acabar com a “tarefa heróica” dos carteiros que entregam correio ao domicílio apenas com base em referências, conforme admitiu na altura a administração da empresa pública de correios do país.

“Há uma comissão já formada pelos Correios de Angola e também com o Ministério do Território, estamos a dar já os primeiros passos para ver se ainda este ano fazemos chegar nem que seja só a nível de Luanda e até Dezembro já poderemos ter o nosso código postal”, disse Maria Luísa Andrade.

Falando na altura no final de um encontro com a imprensa, na sede dos Correios de Angola, na baixa de Luanda, a responsável recordou que o código postal “vai facilitar a entrega, envio e a recepção” de cartas e outras encomendas.

“E as pessoas que quiserem fazer alguma compra ‘online’, no estrangeiro, com o código postal de Angola, já vai facilitar. Não deixaremos o campo aberto quando nos é solicitado o código postal. É uma obrigatoriedade os países terem os seus códigos postais na identificação e localização das pessoas”, adiantou.

Além da aplicação do código postal até final do ano, segundo Maria Luísa de Andrade (nas declarações de Janeiro), colocar os serviços postais em todas as localidades de Angola continua a ser a grande aposta, avançando ainda que dos 33 projectos do plano director dos Correios, os três principais estão a ser desenvolvidos com “recursos próprios”.

“Desde 2015 que não recebemos nenhuma ajuda financeira para os nossos projectos, o que nós temos estado a fazer é com recursos próprios e tem havido alguma contenção dentro da nossa operacionalidade para minimamente termos alguns projectos desenvolvidos”, explicou.

A disponibilização de serviços financeiros postais, o serviço de expresso logística e a identificação patrimonial e comercialização do património afecto aos Correios de Angola constam dos projectos estruturantes daquela empresa estatal.

“O expresso e logística também já temos estado a fazê-lo, criando uma unidade de negócios que ainda este ano ela se tornará autónoma, no qual poderão entrar outros ‘players’ no mercado, para possível privatização”, referiu.

Os custos operacionais, de acordo com a presidente dos Correios de Angola, continuam a pesar nas actividades diárias da instituição, porque, sublinhou, não se faz correios sem meios, como viaturas.

“Neste momento o parque automóvel do país não oferece preços atractivos para a aquisição, o que nos torna difícil pormos a operacionalidade a 100%. Em termos de receitas estamos com bastantes dificuldades porque termos todos os dias no ar as operações de correios é um custo muito grande”, rematou.

Lei de Bases da Toponímia

Em 2014 o Governo aprovou, em reunião de Conselho de Ministros, a proposta de Lei de Bases da Toponímia, que vai regulamentar a atribuição de nomes e de números de porta.

A informação constava do comunicado final da quinta reunião ordinária do Conselho de Ministros, que decorreu sob orientação do então Presidente da República, José Eduardo dos Santos, tendo aprovado legislação com “normas que disciplinam a atribuição de nomes”, sejam ruas, praças, largos, avenidas, aldeias ou bairros.

A proposta definia igualmente regras e procedimentos para efeitos de atribuição dos números de porta no país, existente apenas algumas zonas centrais das principais cidades.

A inexistência de um código postal, bem como números de porta, torna virtualmente impossível a entrega ao domicílio em Angola de encomendas postais internacionais.

Entre outras propostas, a reunião do Conselho de Ministros aprovou também a nova Lei de Bases da Organização Territorial, que estabelece os fundamentos para a organização do território angolano “para fins político-administrativos”, definindo critérios para a criação e modificação do estatuto das unidades urbanas e outros aglomerados populacionais.

Ainda no domínio da administração do território, foi aprovada a proposta de Lei sobre a Divisão Político-Administrativa, diploma legal que “redefine” o modelo organizacional do território nacional para “assegurar uma maior capacidade de resposta às exigências colocadas pela expansão, repovoação, recuperação e o reordenamento urbano e melhorar o serviço público prestado às populações”.

O então secretário para os Assuntos Institucionais e Eleitorais, Adão de Almeida, explicou na altura que estas novas legislações integravam o plano de tarefas para a preparação e realização das eleições gerais (2017) e autárquicas no país.

Acrescentou que com a nova organização do território e da divisão política administrativa, com impactos inicialmente em Luanda, seriam criados na capital os novos municípios de Talatona do Kilamba Kiaxi (mais os sete já existentes), mas outros poderão seguir-se no resto do país, em função das regras agora estabelecidas para a classificação.

Angola passaria a ter, nesta fase, 174 municípios, distribuídos pelas mesmas 18 províncias, 517 comunas – sobretudo fora dos grandes centros – e 45 distritos urbanos.

O contexto eleitoral

Em Julho de 2015 foi notícia que a realização das primeiras eleições autárquicas em Angola seria antecedida, já em 2015, pela elaboração de um diagnóstico sobre os recursos humanos do actual poder local e por uma delimitação territorial.

No caso das autárquicas, esta resolução – além de passos para o registo eleitoral – previa a realização de um diagnóstico exaustivo sobre o estado actual dos recursos humanos, financeiros e infra-estruturas necessárias às autarquias locais, a concluir “até Agosto de 2015″.

No segundo semestre de 2015 seria realizada a delimitação territorial, “definindo correctamente os limites territoriais de cada circunscrição autárquica e outros elementos necessários”, lê-se na resolução, aprovada no Parlamento por unanimidade e publicada a 17 de Junho.

Neste último processo seriam definidos limites geográficos das circunscrições administrativas e autárquicas, fixados marcos geodésicos e placas identificativas dos limites territoriais, definida e clarificada a toponímia, além de atribuídos números de polícia a cada circunscrição territorial.

Igualmente neste segundo semestre (2015), o Governo angolano deveria avaliar o potencial de arrecadação de receitas pelos futuros municípios e adaptar a estrutura e funções do Orçamento Geral do Estado e a da Administração Fiscal para o efeito, além de fazer o levantamento do património imobiliário da administração local actual e decidir “sobre o património a transferir para as autarquias locais”.

A última das tarefas definida nesta resolução previa a promoção da discussão e adopção da legislação de suporte à realização das primeiras autárquicas, até Março de 2016, e sem referir datas, concluiu pela necessidade de “promoção de condições efectivas para convocação das Eleições Autárquicas”.

A convocação das primeiras eleições autárquicas em Angola é um assunto que divide o MPLA, que advoga a necessidade de se criarem condições para o acto, e a oposição, que exige a sua rápida realização, em cumprimento da Constituição.

A 15 de Outubro de 2014, no seu habitual discurso anual sobre o estado da nação, o então Presidente da República excluiu a realização das primeiras eleições autárquicas no país antes de 2017, advertindo que “é melhor evitar a pressa para não tropeçarmos”.

“Penso que devemos trabalhar de forma mais unida e coerente para a concretização deste grande desejo dos angolanos, ao invés de transformarmos este assunto em tema de controvérsia e de retórica político-partidária”, apontou José Eduardo dos Santos.

Nessa intervenção, o então chefe de Estado alertou que “são várias as questões” que os órgãos de soberania “têm que tratar até que sejam reunidas as condições necessárias para a criação das autarquias”.

“Penso que todos queremos dar passos firmes em frente para aprofundarmos o nosso processo democrático, mas é melhor evitar a pressa para não tropeçarmos”, afirmou, desafiando a Assembleia Nacional a clarificar um calendário para “depois passar à acção”.

Folha 8 com Lusa

Partilhe este Artigo