ANGOLA. Os EUA vão contribuir com US $ 13,9 milhões para prestar assistência de emergência aos refugiados que fugiram da República Democrática do Congo (RDCongo) para Angola.

Este apoio consiste em financiar o Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) e o Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas (PAM) para prestarem assistência alimentar, água, cuidados de saúde e abrigo para dezenas de milhares de refugiados.

A violência generalizada e as atrocidades verificadas na região do Kasai, na RDCongo, afectaram mais de 2 milhões e quatrocentos mil indivíduos e levaram à deslocação de aproximadamente 1 milhão e quatrocentos mil, no país, desde Agosto de 2016, de acordo com o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação dos Assuntos Humanitários (OCHA). A partir de meados de Março de 2017, mais de 30 mil novos refugiados congoleses fugiram da violência na região do Kasai e buscaram segurança na província da Lunda Norte.

Muitas dessas pessoas vulneráveis sofreram traumas severos e precisam de cuidados urgentes à chegada.

O Governo dos EUA está empenhado em apoiar as necessidades das pessoas afectadas pelo conflito na RDCongo, tanto da região do Kasai como de outras zonas de conflito.

A Embaixada dos EUA em Luanda congratula-la o Governo da República de Angola pela sua resposta à emergência dos refugiados que fogem do conflito, bem como aos outros doadores que já alocaram fundos para ajudar as populações vulneráveis em Angola e na RDCongo.

Esta última contribuição dos EUA vem em resposta ao apelo da ONU de Junho de 2017 da necessidade de US $ 65,5 milhões para ajudar os novos refugiados em Angola até o final de 2017 e, deste modo, pedindo que outros doadores providenciem apoio adicional e essencial para essa resposta humanitária.

À medida que a população necessitada cresce, é fundamental um maior apoio para que as comunidades de acolhimento e as agências humanitárias possam manter as suas actividades de protecção e assistência.

Partilhe este Artigo