A Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD) e as Edições Esgotadas lançaram o Prémio Literário Eduardo Costley-White, que vai distinguir escritores emergentes dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP).

E scritores oriundos de Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné e São Tomé e Príncipe poderão concorrer, através do ‘site’ da FLAD, até ao dia 15 de Abril deste ano.

O prémio garante a primeira edição da obra premiada, através das Edições Esgotadas, e recebe o nome de Eduardo Costley-White, um escritor moçambicano que faleceu, aos 50 anos, em 2014.

“A iniciativa celebra os 800 anos da língua portuguesa, homenageando um dos expoentes máximos da poesia moçambicana, que dá nome ao prémio literário a ser atribuído”, explica a FLAD em comunicado.

Costley-White nasceu em Quelimane, na província de Manica, filho de mãe portuguesa e de pai inglês, e começou a publicar em 1984, com a obra “Amar Sobre o Índico”.

Pertenceu à geração literária fundadora da Revista Charrua – a chamada “Geração Charrua” -, da Associação dos Escritores Moçambicanos (AEM), da qual foi um membro destacado, e publicou mais de uma dezena de títulos.

A Associação de Imprensa Moçambicana considerou-o, em 2001, a figura literária do ano e a antologia da sua obra poética “O libreto da miséria” foi, em 2012, Prémio BCI de Literatura.

“Homoíne”, “O país de mim”, “Poemas da ciência de voar e da engenharia de ser ave”, “Desafio à tristeza”, “Os materiais de amor”, “O manual das mãos”, “A mecânica lunar”, “A escrita desassossegada” são algumas das suas obras.

Ao longo do seu percurso, Costley-White recebeu o Prémio Nacional de Poesia Moçambicana, o Prémio Consagração Rui de Noronha e o Grande Prémio de Literatura José Craveirinha, de Moçambique, entre outras distinções.

O prémio com o seu nome surge meses depois de a FLAD ter lançado o programa FLAD África, uma iniciativa a quatro anos que tem por objectivo retomar a presença da fundação no continente.

“O papel da FLAD não se limita a aprofundar a relação entre Portugal e EUA, uma vez que o reforço das relações de Portugal com África, através das comunidades portuguesas e africanas, constitui um importante pilar da nossa atuação”, explicou, em nota enviada à agência Lusa, o presidente da FLAD, Vasco Rato.

O mesmo responsável explicou que, “neste caso, difundir a língua portuguesa e exaltar os autores que escrevem em português foi um dos grandes objectivos que pautaram o lançamento do Prémio Literário Eduardo Costley-White.”

Além da celebração dos oito séculos da língua portuguesa, com este prémio, a FLAD pretende assinalar também a comemoração dos seus 30 anos e os 20 anos de existência da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Partilhe este Artigo