Estamos tristes. E neste sentimento somos acompanhados por milhões de outros angolanos. Tudo porque ainda não foi desta que a nossa Santa Isabel (cada país tem a santa que merece) chegou ao mais do que merecido pódio dos mais ricos do mundo.

Por Orlando Castro

Mesmo assim, honra lhe seja feita, a filha de sua majestade o rei de Angola, José Eduardo dos Santos, resistiu estoicamente à crise económica e o ano passado só conseguiu aumentar em cerca de 100 milhões de dólares a sua fortuna, passando agora a ter (tanto quanto a Forbes apurou) a módica quantia de 3,1 mil milhões de dólares.

Embora dizer o que pensamos seja, quando não é o mesmo que o regime do paizinho de Isabel dos Santos pensa (raramente isso acontece, assumimos), um crime contra a segurança do Estado e prova de tentativa de golpe de Estado, não é mau manter a memória alimentada pela verdade, mesmo que seja à base de mandioca e não de lagosta.

Importa por isso recordar que a revista Forbes considerou Isabel dos Santos, a filha do Presidente (no poder há 38 anos sem nunca ter sido nominalmente eleito) José Eduardo dos Santos, mas também filha do Presidente do MPLA e do Titular do Poder Executivo, como a mulher mais rica de África e também uma das mais ricas de… Portugal.

Nada a ver (é claro) com o pai

E então como é que Isabel dos Santos se tornou – não sabemos quantas vezes – milionária? Desde logo porque – graças ao pai ser o dono do reino esclavagista (20 milhões de pobres) – ficava, fica e ficará com uma parte das empresas que se estabelecem em Angola. Quando assim não é, o seu pai trata de mandar fazer leis, decretos e regulamentos que permitam a Isabel facturar sobre tudo o que entenda. Simples, não é?

Isabel dos Santos desmente tudo isto. Assume-se, afinal, como uma santa e acusa todos os que divulgam estas “mentiras”, não desmentindo a mensagem mas tentando desacreditar os mensageiros. Mensageiros que, segundo Isabel dos Santos, são pagos para andar pelo mundo a denegrir a impoluta e divina imagem e labuta de figuras honoráveis como ela e, é claro, como o seu pai e restante clã familiar.

Certo é que Isabel dos Santos é milionária e que no seu(?) país cerca de 70% dos habitantes vivem com menos de 2 dólares por dia. A Forbes escreveu até que “é uma rara janela para a mesma trágica narrativa cleptocrática em que ficam presos muitos outros países ricos em recursos naturais”.

José Eduardo dos Santos, Presidente de Angola desde 1979, é o chefe de Estado que governa há mais anos sem ser monarca. Assim sendo, e com o apoio da comunidade internacional que prefere negociar com ditadores (dos bons, é claro!) do que com democratas, inclui a família em todos os grandes negócios feitos em Angola ou com Angola.

Citemos a Forbes: “É uma forma de extrair dinheiro do seu país, enquanto se mantém à distância, de maneira formal. Se for derrubado, pode reclamar os seus bens, através da sua filha. Se morrer enquanto está no poder, ela mantém o saque na família.”

Não se sabe com rigor em que negócios Isabel dos Santos está, de facto, metida. Mesmo assim, tem posição preponderante e decisiva na Endiama, a empresa concessionária da exploração mineira (criada por decreto… presidencial, que exigia a formação de um consórcio com parceiros privados).

Os parceiros privados da filha do Presidente, que incluíam negociantes israelitas de diamantes, criaram a Ascorp, registada em Gibraltar. Na sombra, diz a Forbes, citando documentos judiciais britânicos, tinha o negociante de armas russo Arkadi Gaidamak, um antigo conselheiro do Presidente angolano durante a guerra civil de 1992 a 2002. Tudo bons rapazes, igualmente impolutos e honoráveis cidadãos.

O escrutínio internacional dedicado aos ‘diamantes de sangue’, explica a revista, aconteceu no mesmo período em que Isabel dos Santos transferiu a sua parte do negócio, que a Forbes classifica como “um poço de dinheiro”, para a mãe, uma cidadã britânica. Tudo continua em família. Antes do Povo está o clã Eduardo dos Santos. Obviamente.

Além dos diamantes, também continua a ter posição basilar na Unitel, a primeira operadora de telecomunicações privada em Angola que – novamente por decreto… presidencial – foi presenteada a Isabel dos Santos. “Um porta-voz de Isabel dos Santos disse que ela contribuiu com capital pela sua parte da Unitel, mas não especificou a quantia; um ano depois, a Portugal Telecom pagou 12,6 milhões de dólares por outra fatia de 25%”, escreveu a Forbes.

A parceria com o homem mais rico de Portugal, Américo Amorim, levou-a para áreas financeiras, através do banco BIC, e petrolífera, através da Amorim Energia e dos seus negócios na Galp e com a Sonangol. Sucesso garantido. Como garantido foi o investimento de 500 milhões na portuguesa ZON e explica também como Isabel dos Santos acabou por ficar à frente da cimenteira angolana Nova Cimangola, Mais uma vez por via dos negócios com Américo Amorim.

Do ponto de vista mediático, mesmo no âmbito da Educação Patriótica que o regime pretende dar a todos os angolanos desde a barriga da mãe até à morte, Isabel dos Santos é a heroína do reino. Prova disso é dada pelo Pravda do regime (também conhecido por Jornal de Angola) que escreveu: “Estamos maravilhados por a empresária Isabel dos Santos se ter tornado uma referência do mundo das finanças. Isto é bom para Angola e enche os angolanos de orgulho.” Referia-se aos angolanos afectos ao regime, os outros – os que foram gerados com fome, nasceram com fome e estão no corredor da morte cheios de… fome – sentem-se envergonhados.

Em 2008 começou a compra de Portugal

Desde 2008 que a rainha santa Isabel dos Santos tem vindo a acumular um autêntico império em Portugal. Nada de anormal. Segundo o português Diário Económico, a esposa de Sindika Dokolo, recentemente medalha de ouro das “olimpíadas” demagógicas da Câmara Municipal do Porto liderada por Rui Moreira, tem investimentos directos na banca, nas telecomunicações, na energia e no imobiliário, e indirectos em quase tudo o resto. Diz o jornal que já investiu um total de três mil milhões de euros em Portugal.

Uma das mais recente chocadeira foi a compra da Efacec Power Solutions pela módica quantia de 200 milhões de euros. Isabel dos Santos, indiferente à crise petrolífera do país onde o seu pai é rei, continua a não ter dificuldades em descobrir onde chocar os ovos de ouro.

Admitem os observadores que, ao comprar a Efacec, a rainha santa pretende transportar o centro de gravidade da multinacional para Angola, beneficiando das competências de engenharia do grupo que também actua nos sectores da energia, ambiente, serviços e transportes em vários países africanos, americanos e asiáticos.

Feitas as contas, as participações de Isabel dos Santos em empresas cotadas em Portugal valem cerca de três mil milhões de euros, somando-se ainda os investimentos pessoais da empresária no sector imobiliário.

Nascida em 1973 em Baku (Azerbaijão, ex-União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, a URSS), Isabel é a primeira filha de José Eduardo dos Santos, um presidente que é um sério candidato a um qualquer Prémio Nobel e, igualmente, uma figura cuja visão é muito superior – segundo os seus súbditos – a Amílcar Cabral e Nelson Mandela.

Perante a separação dos pais (a mãe é a jogadora de xadrez russa Tatiana Kukanova), Isabel foi viver com a mãe em Londres, onde estudou engenharia no King’s College, e conheceu o seu futuro marido, Sindika Dokolo, com quem se casou em 2002.

Nessa época, contam os cronistas do reino, Isabel abriu o seu primeiro negócio, um bar na baía de Luanda. Terá sido nos recantos desse negócio que descobriu a mina, ou chocadeira, que a transformaria na mulher mais rica do continente africano… e arredores.

Os cronistas anti-regime (leia-se defensores de um Estado de Direito) falam que o autor do milagre é, isso sim, o seu pai que, no uso dos seus poderes (que gosta de dizer que são democráticos), tem uma comissão em tudo quanto envolva dinheiro. Em Abril de 2015 foi notícia que todos os investimentos superiores a 10 milhões de dólares seriam exclusivamente tramitados pelo Presidente da República

Socialismo? O que é isso?

A ideologia socialista/comunista de Eduardo dos Santos só durou até 1990, altura em que já tinha quase 20 anos de comando do regime. Foi então que, por obra divina, abraçou o capitalismo e começou a assinar contratos de concessão com o capital privado estrangeiro para a exploração dos inesgotáveis recursos naturais que deveriam ser de todos mas que, obviamente, passaram a ser seus e dos seus comparsas.

Por alguma razão, segundo a organização Transparency International, Angola é um dos países mais corruptos do mundo. Luanda desmente. E tem razão. O que o mundo chama de corrupção é, de acordo com o regime, uma forma normal de negociação entre quem pode e quem precisa.

Passada a fase do bar, Isabel entra de alma, coração e tudo o mais no negócio dos diamantes. O presidente cria a Endiama, empresa estatal para a exploração dos mesmos, aparecendo a sua filha como proprietária de 25% da sociedade.

Por outro lado, já incapaz de dar luz ao seu Povo, muito menos – como outrora – ao mundo, Portugal regressa em força a Angola. Foi o caso do “descobridor” Américo Amorim que, a bordo de uma lucrativa nau de cortiça, conseguiu que Eduardo dos Santos concedesse uma licença a um banco privado, o BIC. E, na velha tradição, Isabel dos Santos lá aparece com 25%. E, ganhando-lhe o gosto, Isabel leva tudo à sua frente.

Isabel dos Santos, como bem defendem os cronistas e arautos do regime, rejeita as insinuações de que seus negócios estão muito relacionados com a presidência vitalícia do seu pai. Faz sentido. Importa não esquecer que, como ela disse ao “Financial Times”, aos seis anos de idade vendia ovos como uma qualquer zungueira dos nossos dias.

O seu marido, o tal a quem o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, atribuiu a medalha de ouro da cidade (foto), é mais assertivo quando fala de Isabel: “É muito tranquila e muito estável, gosta de ter uma perspectiva a longo prazo. Possui três qualidades que a transformam na grande força de Angola: autoconfiança, estabilidade e ambição.”

Recentemente aportou nas praias lusitanas e registou-se então mais um episódio protagonizado pela Rainha Santa. Apareceu no mercado a Terra Peregrin, a empresa que Isabel dos Santos usou para lançar a OPA (Oferta Pública de Aquisição) à PT SGPS. Foi criada no dia 7 de Novembro de 2014 e tinha um capital social de 51 mil euros.

Alguns supostos especialistas portugueses revelaram, indignados, que a Terra Peregrin só possuía dois administradores, Isabel dos Santos e Mário Leite, o homem forte da filha do Presidente para os negócios em Portugal, e que o capital social era ridículo tento em conta que ofereceu 1,21 mil milhões de euros pela Portugal Telecom, 1,35 euros por acção.

Ao que parece, os areópagos políticos e jornalísticos de Lisboa estavam a duvidar da sustentabilidade financeira da Terra Peregrin (pelo seu parco capital social, 51 mil euros), bem como da sua idoneidade empresarial, por ter sido fundada há poucos dias.

Ledo engano. Dinheiro é coisa que não falta a Isabel dos Santos. Para ela tanto faz ter um capital social de 51 mil euros, 510 mil, cinco milhões ou 50 milhões. O montante foi escolhido por que era suficiente para mexer com as águas putrefactas em que se encontrava a PT.

Quanto a ter sido uma empresa recente, não parece ser um argumento válido. Em Angola, por exemplo, até seria possível à filha do Presidente avançar com uma empresa a constituir futuramente.

Além disso, como cortina de fumo (espesso e opaco) foi uma jogada de mestre. Enquanto o pessoal andava entretido com estas histórias de embalar (tolos, sipaios e similares), Isabel estava calmamente a preparar outras jogadas, outras compras.

Registe-se que Isabel dos Santos é uma digna sucessora da mulher do rei português D. Dinis, a rainha Santa Isabel, que se tornou célebre – ao contrário da mulher mais rica de África e uma das mais ricas de todo o mundo – pela sua imensa bondade em relação aos necessitados.

A diferença está em que, para a “nossa” santa, os necessitados são apenas os que, como ela, roubaram o dinheiro que pertencia ao Povo.

Partilhe este Artigo