ANGOLA. O Presidente angolano, João Lourenço, que lidera o órgão de concertação política, defesa e segurança da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) assumiu hoje que “há sinais” que apontam para um desfecho satisfatório da crise na República Democrática do Congo.

A posição foi assumida por João Lourenço no discurso de abertura da cimeira de chefes de Estado e de Governo da “Dupla Troika” da SADC, que junta hoje em Luanda os Presidentes da República da África do Sul, Namíbia, Zâmbia, República Democrática do Congo (RDCongo), o vice-Presidente da Tanzânia e o primeiro-ministro do Lesoto.

Para o chefe de Estado angolano, há “mais motivos para acreditar” que a situação na RDCongo “caminha para um desfecho satisfatório”, nomeadamente a marcação, para 23 de Dezembro próximo, das eleições presidenciais no país e a realização do registo eleitoral.

“São sinais que podem contribuir significativamente para o necessário e urgente desanuviamento das tensões internas na RDCongo e para o reforço da confiança mútua entre o Governo, a oposição e a sociedade civil”, afirmou João Lourenço.

“Em função desta nova atmosfera”, acrescentou o chefe de Estado angolano, é necessário “apelar a todos os intervenientes directos no processo de regularização do conflito na RDCongo que façam prova de sabedoria, de patriotismo e de máxima contenção nos momentos mais críticos”.

“Olhando em primeiro lugar para os interesses nacionais, para que consigam superar as diferenças e construam espaços de convergência que privilegiem a paz, a segurança, a estabilidade e a reconciliação nacional”, disse ainda.

Ainda assim, o chefe de Estado angolano não esconde a preocupação com a violência em algumas regiões do país vizinho, nomeadamente no leste, cujos conflitos chegaram a levar à fuga de 30.000 refugiados congoleses, em 2017, para Angola.

“Continuamos, contudo, preocupados com a situação reinante no leste da RDCongo, onde grupos rebeldes, com destaque para a Aliança das Forças Democráticas (AFDL), continuam a ceifar vidas de pacíficos cidadãos, entre elas mulheres e crianças, inviabilizando o desenvolvimento económico e social do país”, enfatizou na abertura da cimeira, convocada para analisar, entre outros assuntos, a situação naquela país da África Austral.

Na origem da instabilidade interna na RDCongo está a permanência no poder de Joseph Kabila, Presidente da República desde 2001, com contínuas manifestações da oposição e da comunidade católica, reprimidas pelas forças de segurança.

O país conta igualmente com a Missão das Nações Unidas na República Democrática do Congo (MONUSCO), a maior força da ONU no mundo, com mandado até Março do próximo ano e 16.000 militares, que deverão apoiar o processo eleitoral, nomeadamente no recenseamento dos eleitores, a própria votação e a transição do poder, esperado, segundo o calendário oficial, para 12 de Janeiro de 2019.

Kabila manter-se-á no poder pelo menos até Janeiro de 2019, mais de dois anos depois de ter terminado o seu segundo mandato, em Dezembro de 2016.

Segundo a Constituição da RDCongo, o Presidente da República só pode exercer as funções durante dois mandatos.

Lusa

Partilhe este Artigo