ANGOLA. O Presidente angolano, João Lourenço, visita oficialmente a França em Maio, a convite do seu homólogo Emmanuel Macron, que retribuirá a deslocação em 2019, anunciou hoje em Luanda o chefe da diplomacia francesa.

Jean-Yves Le Drian fez o anúncio em conferência de imprensa, em que acrescentou que a deslocação oficial de João Lourenço a Paris se realiza no dia 21 de Maio.

O ministro para a Europa e Negócios Estrangeiros francês manteve hoje em Luanda contactos para o reforço da cooperação bilateral, tendo sido recebido em audiência pelo chefe de Estado angolano.

Na audiência, segundo o chefe da diplomacia francesa, além da cooperação bilateral, foi abordada a situação política na região, em particular na República Democrática do Congo e na República Centro Africana.

“Nós conhecemos o enorme potencial de Angola e sabemos também da vontade de uma nova fase de desenvolvimento. Fizemos esta manhã a reunião de trabalho, sobre a cooperação económica, em particular no domínio da agricultura, energias renováveis, das águas, turismo e formação”, disse o governante francês.

Jean-Yves Le Drian acrescentou que há vontade firme das autoridades angolanas em promover um desenvolvimento seguro, bem como de assegurar também a autonomia do seu desenvolvimento e da sua diversificação económica, manifestando o desejo de a França ser “um parceiro privilegiado nessa nova dinâmica”.

“Queremos reforçar a nossa parceria e continuar com o nosso engajamento no quadro da visita presidencial, para fazer novos acordos entre nós”, disse Jean-Yves Le Drian, saudando ainda a vontade de Angola de diversificar a sua economia.

O chefe da diplomacia francesa adiantou que a França tem linhas de crédito abertas no valor de 250 milhões de euros, um valor que considerou mínimo para o número de acções que Angola tem pela frente.

“Tratamos do regresso a Angola da Agência Francesa de Desenvolvimento, que já mobilizou 150 milhões de euros para projectos concernentes à água, 100 milhões de euros para projectos de agricultura, para este ano, estando também em análise uma proposta de 50 mil euros, para a identificação de novos projectos, que poderão entrar num financiamento específico”, frisou.

O ministro acrescentou que empresários franceses manifestaram o interesse de investir em Angola, mas querem saber das garantias para a transferência de dividendos, “um aspecto muito importante para transmitir confiança”, frisou.

Jean-Yves Le Drian destacou o interesse de empresas francesas nos sectores da água, energias renováveis, agricultura, agro-indústria, turismo e formação profissional.

Por sua vez, o ministro das Relações Exteriores de Angola, Manuel Augusto, disse que Angola está empenhada na diversificação da sua economia, sendo a agricultura a alavanca do processo.

“Os empresários franceses e angolanos têm uma excelente oportunidade para a exploração e o aprofundamento da cooperação nos sectores agrícola e agro-industrial, aproveitando as valências dos projectos estruturantes, que o Governo angolano tem vindo a realizar, no âmbito da diversificação da economia nacional”, salientou.

Lusa

Partilhe este Artigo