Angola irá, até 2025, produzir 800 megawatts de energia eléctrica a partir de fontes renováveis, com maior predominância nas áreas rurais do país, o que permitirá aumentar de 40% para 60% o total de população com acesso à electricidade.

Segundo a directora nacional de Energias Renováveis do Ministério da Energia e Águas de Angola, Sandra Cristóvão, que falava numa conferência sobre o tema, actualmente, só 40% da população angolana, estimada em quase 30 milhões de habitantes, tem acesso a energia eléctrica, 60% oriunda de fontes hídricas e os restantes 40% de origem térmica.

A intenção de incorporar 800 megawatts de energias renováveis até 2025, acrescentou, consta no plano do executivo, sublinhando que a ideia passa por aumentar a capacidade das energias renováveis, para que constituam uma alternativa para o meio rural, tendo em conta também o baixo custo de manutenção.

“Já estão identificadas zonas de potencial eólico do país. Mas, para as zonas rurais de Angola as mais adequadas são as energias solar e a biomassa, esta última por usar resíduos agrícolas, florestais, agro-pecuárias, entre outros para a produção de energia eléctrica”, explicou Sandra Cristóvão.

Segundo a especialista, estão a ser já implementados vários sistemas e captação solares autónomos nalgumas zonas do país, que vão resolvendo “problemas pontuais” com a disponibilização de três a cinco quilowatts.

Para a concretização dos projectos de energias renováveis no país, segundo Sandra Cristóvão, os “constrangimentos” para o sector público prendem-se com a captação de financiamentos, enquanto para os do privado são as tarifas existentes e a falta de uma legislação específica, que ainda está em curso.

Nos países que integram a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), admitiu, Angola é um país com pouco investimento no sector das energias renováveis, situação que, explicou a especialista, deve-se ao facto de ser produtor de petróleo e pelas inúmeras bacias hídricas existentes no território nacional.

Sandra Cristóvão discursava sobre o tema “Os Desafios Tecnológicos e a Expansão de Fontes de Energias Renováveis em Angola”, no âmbito do debate “Café com Ciência e Tecnologia”, realizado pelo Centro Tecnológico Nacional (CTN), afecto ao Ministério do Ensino Superior, Ciências, Tecnologia e Inovação (MESCTI).

Lusa

Partilhe este Artigo