ANGOLA. A Polícia Nacional anunciou hoje em Luanda que foi chamada para “conter populares” que protestavam defronte da Base de Logística de Serviços Integrados da petrolífera Sonangol, devido ao alegado “vazamento de gás que terá provocado vários desmaios”.

O anúncio foi avançado à agência Lusa pelo porta-voz do Comando Provincial de Luanda da Polícia Nacional, Mateus Rodrigues, afirmando “não ter confirmação de qualquer vazamento de gás e nem de vítimas no local”.

“Temos lá uma equipa e não podemos garantir se vazou ou não gás. Há essa notícia de que vazou o gás e isso fez com que se acumulasse uma multidão defronte das instalações da instituição e é sobre essa multidão que está a incidir a nossa actividade”, disse.

Populares residentes nos arredores das instalações da empresa relatam que “estão desde as primeiras horas desta terça-feira sem dormir devido ao cheiro tóxico” que invadiu as suas residências, com relatos de “desmaios de moradores e alguns funcionários” da base de logística da Sonangol (Sonils)

“Estamos apenas a controlar a multidão que está logo à entrada da base”, referiu Mateus Rodrigues.

Até ao momento a Direcção da Sonils ainda não se pronunciou.

A Base de Logística de Serviços Integrados da Sonangol actua no carregamento e descarga de navios, aluguer de equipamentos e de infra-estruturas de apoio, entre os quais escritórios, armazéns e áreas de armazenagem a céu aberto.

Lusa

Partilhe este Artigo