ANGOLA. O lançamento do (suposto) primeiro satélite angolano, Angosat, acontece na próxima terça-feira, no Cazaquistão, para entrar em período de teste entre dois a três meses, anunciou hoje o ministro das Telecomunicações e Tecnologias de Informação de Angola.

José Carvalho da Rocha, que falava em conferência de imprensa, disse que depois dos testes o Angosat, um investimento do Estado angolano de 320 milhões de dólares (270,8 milhões de euros), vai estar disponível para comercialização.

“Neste momento, já temos reservada cerca de 40% da capacidade do Angosat e nós vamos continuar a fazer o ‘marketing’ para continuarmos a aumentar essa reserva”, disse o ministro.

O governante angolano referiu que o Estado prevê recuperar este investimento em pelo menos dois anos, para poder continuar (supostamente) a produzir outros satélites.

“As nossas operadoras, todas elas juntas, para poderem prestar o serviço de telefonia móvel e outros alugam elemento espacial em outros satélites, que dominam essa nossa região. E todas elas juntas gastam em média por mês entre 15 a 20 milhões de dólares (entre 12 a 16,9 milhões de euros)”, salientou.

Nesse sentido, José Carvalho da Rocha estimou que para recuperação do investimento, olhando a valores mínimos de 15 milhões de dólares (12 milhões de euros), dois anos são suficientes para se atingir a meta preconizada.

O Angosat foi construído por um consórcio estatal russo e o seu lançamento (diversas vezes adiado) será feito com recurso ao foguete ucraniano Zenit-3SLB, envolvendo ainda a Roscosmos, empresa estatal espacial da Rússia, segundo informação das autoridades espaciais russas.

Partilhe este Artigo