Requiem pela liberdade

Requiem pela liberdade - Folha 8

Depois de um tempo em obras ditas de reestruturação e a pedido daqueles que sempre que ouvem falar de liberdade puxam da pistola, o Semanário Angolense foi assassinado. Os donos disto tudo não brincam em serviço. Por Orlando Castro C omo revela a Voz da América, o antigo director de Informação, Agostinho Rodrigues, confirma o encerramento do Angolense, mas diz desconhecer quem são os novos proprietários do espólio nem que destino terá. Outro jornalista que fica no desemprego com o encerramento do jornal é Makuta Nkondo, que conta como soube…

Leia mais

Mais de meio milhão de imigrantes ilegais

Mais de meio milhão de imigrantes ilegais - Folha 8

A Polícia Nacional de Angola admitiu hoje a existência de mais de meio milhão de imigrantes ilegais no país, classificando a situação como uma “invasão silenciosa” e garantindo prioridade no combate ao problema. A posição foi assumida pelo segundo comandante nacional daquela força policial, Paulo de Almeida, admitindo que a imigração ilegal é uma das principais preocupações das autoridades para 2015. “Queremos ter um país tranquilo e ordeiro. Nós vamos continuar a fazer as nossas operações de combate à imigração ilegal, que preocupa a nossa sociedade. É preciso ver que…

Leia mais

Luz verde aos vistos para negócios

Luz verde aos vistos para negócios - Folha 8

Um acordo entre Brasil e Angola facilita a concessão de vistos entre os dois países para viajantes que pretendam negociar projectos de investimento, realizar reuniões de negócios, assinar contratos e realizar outras actividades financeiras. O protocolo, acordado em Junho de 2014 entre os dois países, foi publicado hoje no Diário Oficial da União o Brasil, com algumas regras que abrangem a concessão de vistos chamados ordinários, em Angola, e de negócios, no Brasil. Os vistos valerão para múltiplas entradas em um período de 24 meses, e permitirão a permanência do…

Leia mais

Cabo Verde. Está em causa a segurança nacional

Cabo Verde. Está em causa a segurança nacional - Folha 8

O Governo cabo-verdiano considerou hoje que o atentado ao filho do primeiro-ministro e o assassinato da mãe de uma inspectora da Polícia Judiciária (PJ) são ataques às instituições do Estado e à Segurança Nacional e merecem “respostas adequadas”. N uma declaração lida hoje, sem direito a perguntas dos jornalistas, o ministro da Defesa Nacional e dos Assuntos Parlamentares, Rui Semedo, disse que se trata de um padrão de criminalidade organizada com conexões transfronteiriços que carece de níveis crescentes de articulação interna e internacional. “O assassinato, em Setembro último, da mãe…

Leia mais

Querido líder, insubstituível e (é claro!) escolhido de Deus

Querido líder, insubstituível e (é claro!) escolhido de Deus - Folha 8

Este ano será igual, ou pior, para a maioria dos angolanos. Para melhor será, com certeza, para os habituais donos disto tudo, encabeçados pelo clã do José Eduardo dos Santos. Prova disso foi o discurso do Presidente em que este adoça a boca dos marginalizados ao falar do Povo, da luta contra a intolerância e a violência políticas e, é claro, no respeito pela Constituição. Por Orlando Castro A lguns observadores referem que é bom sinal o Presidente se ter lembrado e, por isso, lembrar aos seus dirigentes que afinal…

Leia mais

Portugal vende-nos (quase) tudo o que por lá tem

Portugal vende-nos (quase) tudo o que por lá tem - Folha 8

As exportações portuguesas para Angola crescerem 49,8% no terceiro trimestre de 2014, em termos homólogos, valendo 1,4 mil milhões de euros, segundo o mais recente relatório do Instituto Nacional de Estatística (INE) angolano sobre o comércio externo. D e acordo com o documento, Portugal exportou para Angola, entre Julho e Setembro de 2014, bens e serviços no valor de 171.513 milhões de kwanzas (cerca de 1,4 mil milhões de euros). Este volume corresponde a uma quota do mercado das importações angolanas de 14,7%, à frente de países como a China…

Leia mais

Vaticano tem sete cardeais lusófonos com direito a voto

Vaticano tem sete cardeais lusófonos com direito a voto - Folha 8

Com a nomeação hoje, pelo papa, de Manuel Clemente, patriarca de Lisboa, e do bispo cabo-verdiano Arlindo Gomes Furtado, sobe para sete o número de cardeais lusófonos com direito de voto na escolha do líder da Igreja Católica. A lém destes, existem ainda outros 10 cardeais lusófonos que pertencem ao Colégio, sem direito de voto por terem mais de 80 anos, embora, tal como os restantes, assistam o papa nas suas decisões. O patriarca de Lisboa e o bispo de Santiago serão elevados formalmente a cardeais a 14 de Fevereiro,…

Leia mais

Concurso para escolher desenho das novas moedas

Concurso para escolher desenho das novas moedas - Folha 8

O Banco Nacional de Angola (BNA) lançou a concurso a escolha dos desenhos das novas moedas de 50 e 100 kwanzas que vão substituir notas atuais de igual valor, alusivos aos 40 anos da independência nacional. O concurso, aberto a todos os residentes em Angola, decorre até 30 de Janeiro e prevê a selecção dos motivos visuais da face das duas novas moedas metálicas, sendo conduzido pela União Nacional de Artistas Plásticos e integrado ainda elementos do Ministério da Cultura, mas também do BNA, que presidirá ao júri. Ao autor…

Leia mais

A verdade dói mas só ela curará as nossas makas

A verdade dói mas só ela curará as nossas makas - Folha 8

Diz o do ex-ministro dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria… do MPLA, hoje governador do Huambo, Kundi Paihama, que a história de Angola é rica em exemplos e actos indeléveis de heroísmo e valentia protagonizados por milhares de patriotas angolanos, e pelo sacrifício dos melhores filhos desta pátria. Por Orlando Castro S im, é o mesmo Kundi Paihama que diz: “Durmo bem, como bem e o que restar no meu prato dou aos meus cães e não aos pobres”. Sim, é o mesmo Kundi Paihama que afirma: “Eu semanalmente…

Leia mais

MPLA: De proletários a proprietários vorazes

MPLA: De proletários a proprietários vorazes - Folha 8

Remember 2014, a nossa pobreza e a corrupção deles (II) No dia 11 de Novembro de 1975, data proposta por Álvaro Holden Roberto, então presidente da FNLA, durante os Acordos do Alvor (Portugal), como data para a proclamação da Independência, o MPLA – que tudo fez para evitar a realização das eleições gerais, naquela altura, proclamou o novo ente jurídico internacional, como República Popular de Angola, de orientação socialista. Por William Tonet (*) Q uem reivindicasse a ideologia seguida, mesmo intramuros, tinha uma séria resposta de Agostinho Neto: fuzilamento, sem…

Leia mais