Caça furtiva em Angola tem apoio de órgãos de defesa e segurança

O director da Unidade de Crimes Ambientais de Angola disse hoje que a prática da caça furtiva em Angola conta com “certa protecção especial dos órgãos que garantem a ordem e segurança pública”. José Rodrigues, que participou num debate sobre “Crimes Ambientais: Desmatamento, Caça Furtiva e Queimadas”, realizado pela rádio pública angolana, referiu que a prática é promovida no país por “comandantes provinciais, segundos comandantes, oficiais generais”. Segundo José Rodrigues, esta caça é ilegal e é feita com recurso a utilização de armas de fogo, muitas de reserva especial do…

Leia mais

Presidente exonera e nomeia altos oficiais das FAA e da Polícia

O Presidente angolano, João Lourenço, remodelou hoje, entre outras, as estruturas de topo das Forças Armadas Angolanas (FAA) e da Polícia Nacional, com substituições, promoções e alterações de posto, entre as quais a do juiz presidente do Tribunal Supremo, Joel Leonardo. Dezenas de oficiais generais e almirantes das FAA, bem como dirigentes de Polícia Nacional, foram exonerados, substituídos e nomeados para novos cargos, segundo oito decretos presidenciais hoje publicados em Diário da República e seis Ordens do Comandante-em-Chefe das FAA, por inerência de funções, o próprio general João Lourenço. Entre…

Leia mais

6,4 milhões de angolanos vacinados até Junho

O plano angolano de vacinação contra a Covid-19 vai custar 217 milhões de euros, abrangendo 20% da população na primeira fase, incluindo profissionais de saúde, forças de segurança e pessoas com mais de 40 anos e comorbilidades de risco. Segundo uma versão preliminar do plano, actualizado em 15 de Janeiro de 2021, o objectivo é vacinar 52% da população contra a Covid-19 em duas etapas, com duas doses. Numa primeira fase, a implementar no primeiro semestre de 2021, serão abrangidos 6,4 milhões de habitantes com 40 e mais anos e…

Leia mais

No reino do MPLA a corrupção é aMPLA

A percepção sobre a corrupção no sector público melhorou em cinco países lusófonos, piorou em três, incluindo Portugal, e manteve-se em Cabo Verde, segundo o Índice de Percepção da Corrupção (IPC), divulgado hoje pela Transparência Internacional (TI). As maiores subidas foram registadas pelo Brasil, que com 38 pontos subiu 12 lugares, passando da posição 106 para 94, e Timor-Leste, que conseguiu 40 pontos e uma subida do 93.º para o 86.º lugar, indica a edição de 2020 do índice que avalia a percepção da corrupção no sector público de 180…

Leia mais