ANGOLA. Mais de 9.200 refugiados da República Democrática do Congo estão a procurar segurança no leste de Angola, em fuga dos conflitos internos nas regiões de Cassai, naquele país vizinho, informaram hoje as autoridades da província angolana da Lunda Norte.

Deste total, acrescentam que cerca de 3.200 já se encontram no Centro de Acolhimento de Mussungue, mas o número dos refugiados congoleses que chegam – e perto de 1.400 são crianças – continua aumentar a cada momento.

Ainda assim, as autoridades daquela província garantiram hoje, no Dundo, capital da Lunda Norte, condições de segurança nas localidades próximas da fronteira com a República Democrática do Congo (RD Congo) e das zonas de forte agitação, com conflitos internos e instabilidade militar.

Para o efeito, reuniram-se hoje, na capital da Lunda Norte, as autoridades provinciais angolanas, tendo sido identificada a necessidade de reforço de bens de primeira necessidade e de tendas, prevendo-se o aumento de refugiados.

A província da Lunda Norte partilha 770 quilómetros de fronteira com a RD Congo, dos quais 550 terrestres e os restantes com limites fluviais.

A RD Congo está em crise generalizada depois de o Presidente Joseph Kabila, cujo mandato terminou a 20 de Dezembro de 2016, se ter negado a deixar o poder.

Kabila, no poder desde o assassinato do pai em 2001, Laurent-Desiré Kabila, estava impedido pela Constituição do país de concorrer a mais um mandato, mas as eleições foram adiadas.

A proliferação de doenças endémicas é uma das preocupações no momento, embora já tenha sido montado um posto para o bloqueio de cólera, no Centro de acolhimento do Mussungue.

Lusa

Partilhe este Artigo