RD CONGO/ANGOLA. Mais de 30 milhões de pessoas foram vacinadas contra o Ébola, a maioria em Angola e na República Democrática do Congo, país onde será declarado novo surto epidémico, indicou hoje a Organização Mundial de Saúde (OMS).

No primeiro Fórum Mundial sobre a Saúde da OMS, que hoje começou na capital do Ruanda, Kigali, e decorrerá até quarta-feira, a directora regional da OMS para África, Rebecca Matshidiso Moeti, precisou que se está a colaborar com o Ministério da Saúde da RD Congo para declarar um surto de Ébola na próxima semana.

Este anúncio será feito apesar de a 2 de Junho o Governo da RD Congo ter declarado que tinha controlado o surto de Ébola surgido na província do Baixo Uele, no norte do país.

Em Maio último, a OMS confirmou que 37 pessoas tinham adoecido no Baixo Uele, das quais 32 eram casos suspeitos, três prováveis e dois confirmados.

No fórum “Pôr as pessoas em primeiro lugar. O caminho para a cobertura universal da saúde em África”, debatem-se também os desafios e as oportunidades de uma prestação efectiva de serviços de saúde e prioridades políticas na região.

Moeti pediu ao sector privado que aumente a participação na saúde em África, para ajudar a alcançar o objectivo da cobertura sanitária universal no continente.

“Para fortalecer os sistemas de saúde, garantir a segurança sanitária e proporcionar um melhor acesso aos serviços de saúde, os países devem esforçar-se por alcançar o mínimo de oito dólares por habitante recomendado pela OMS”, sublinhou.

A responsável regional da agência especializada da ONU pediu igualmente às partes interessadas no sector da saúde em África que ampliem a imunização e lamentou que muitas crianças africanas não tenham acesso às vacinas de que precisam.

“Uma em cada cinco crianças ainda não tem as vacinas de que necessita. O número é demasiado alto”, denunciou Moeti.

Contudo, frisou que África registou alguns êxitos, como os alcançados na luta contra a poliomielite ou a diminuição do número de novos infectados com HIV, com cada vez mais seropositivos a terem acesso a programas.

O número de adultos e crianças infectados com o HIV em África diminuiu em cerca de 19% nos últimos cinco anos, passando de 1,63 milhões para 1,37 milhões.

Em finais de 2015, estimou-se que também a mortalidade materna no continente diminuiu em cerca de 45% desde 2000, e as mortes de recém-nascidos caíram cerca 38% durante o mesmo período.

Partilhe este Artigo