A detenção de Ramón Nsé Esono Ebalé, cartoonista na Guiné Equatorial, há mais de um mês e sem uma acusação formal, é mais uma prova de que no país continuam a existirem prisões políticas no reino esclavagista de Teodoro Obiang que, recorde-se, é membro dessa coisa que dá pelo nome de Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, CPLP.

“É claramente uma prisão política. É uma demonstração de força do regime do Presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang, que continua a reprimir todas as vozes contrárias”, afirmou à Lusa Ana Lúcia Sá, investigadora do Centro de Estudos Internacionais do Instituto Universitário de Lisboa (CEI/ISCTE-IUL).

De acordo com a investigadora, “é uma prova de que continua a existir presos políticos na Guiné Equatorial, tal como em outros países que não são democráticos”.

O cartoonista equato-guineense Ramón Nsé Esono Ebalé foi preso a 16 de Setembro e as autoridades da Guiné Equatorial ainda não apresentaram uma acusação formal contra o artista.

“Não tem a acusação formalizada, mas a investigação levada a cabo pelas autoridades seria, alegadamente, por branqueamento de capitais e falsificação”, sublinhou a investigadora, especialista em questões da Guiné Equatorial.

Segundo Ana Lúcia Sá, “essa suposta acusação é uma forma do regime tentar mostrar que está a prender uma pessoa sem motivos políticos, entretanto, a primeira pergunta que lhe fizeram depois de preso foi sobre o seu trabalho, sobre os seus `cartoons`”.

O cartoonista Ramón Ebalé, que é bastante crítico em relação ao regime ditatorial e criminoso da Guiné Equatorial, também é muito activo nas redes sociais. Tem trabalhos, nomeadamente um de banda desenhada, em que critica abertamente o Presidente Teodoro Obiang e a ditadura na Guiné Equatorial.

“Ramón Ebalé não vive na Guine Equatorial, estava a viver em Assunção, no Paraguai, por motivos familiares e não de exílio”, referiu a investigadora.

De acordo com Ana Lúcia Sá, a mulher de Ebalé estava colocada no Paraguai como directora do Centro Cultural Espanhol e, agora, foi recolocada em El Salvador. Assim, o cartoonista teve de deslocar-se à Guiné Equatorial para renovar o passaporte, tendo sido preso com dois amigos espanhóis, que já foram libertados.

“Após toda a imagem que o país e os seus dirigentes colocaram cá para fora, de uma grande abertura, inclusive pela forma como aderiram à CPLP, uma prisão deste género é sinal de que o regime continua a funcionar com o mesmo tipo de repressão que utilizava anteriormente”, indicou a investigadora.

Ana Lúcia Sá referiu que está a decorrer “uma mobilização a nível internacional sobre este caso”.

“A EG Justice (organização não-governamental que luta pela democratização na Guiné Equatorial) tem uma petição organizada com seis mil assinaturas que pede a libertação de Ramon Ebalé”, sublinhou.

Vários organismos, segundo a investigadora, estão a publicar pedidos para a libertação de Ramón Ebalé, como o Committee to Protect Journalists (Comité para a Protecção dos Jornalistas/CPJ)

“Há várias actividades a decorrer em vários países, até sessões de esclarecimentos sobre esta prisão. Aconteceu uma na segunda-feira, em Barcelona, e vai haver uma em Madrid também, e o Tutu Alicante (responsável pela EG Justice) está presente em todas estas acções”, referiu ainda.

De acordo com Ana Lúcia Sá, não há qualquer previsão para a libertação de Ramón Ebalé.

E enquanto isso os responsáveis pela CPLP continuam a cantar e a rir sendo, por isso, coniventes com todos estes crimes cometidos na Guiné Equatorial, entre outros protagonizados noutros estados-membros.

Folha 8 com Lusa

Partilhe este Artigo