ANGOLA. A província do Namibe continua a viver a crise de escassez de água para o consumo humano em grande nível. No interior da província, como nos municípios do Virei e do Camucuio, o quadro clama por intervenção urgente!

A seca tem fustigado há anos esta parte do país, tal como acontece em outras províncias da região sul. Os estragos da seca traduzem-se entre outras consequências, em escassez gritante de água.

Faz tempo, que a população das zonas do interior da província do Namibe clama por sondas de água e abertura de furos para o abeberamento do gado. Enquanto quem governa se fecha, a população vai optando por medidas paliativas, que ameaçam a saúde das pessoas. Nos pouquíssimos furos abertos bebem os animais e as pessoas.

“A nossa situação aqui no Camucuio é muito triste. Desde que o governador vinha aqui, acho que já passaram dois anos e ele mesmo, nos prometeu meter água aqui. Mas, nunca mais veio e nós estamos assim. Uma pessoa bebe onde os nossos bois estão a beber. Está mesmo bom assim!? Assim, depois vãos vir nos falar para votar mais neles?” desabafa uma das autoridades tradicionais do município.

No município do Virei a situação tem a mesma natureza. A falta de água para o consumo da população causa doenças.

“Aqui no Virei, parece que nos esqueceram mesmo. O governador só vem, quando tem uma actividade e fala que já vão nos dar água, mas, nunca deram nada mesmo”, denuncia Tyelindi Maynde.

Logo após a sua chegada à província, o até então governador da província do Namibe, Rui Falcão, reconheceu os problemas e havia garantido dar resposta as preocupações da população.

Mas, na última visita que realizou ao município do Virei, na qualidade de governador do Namibe, Rui Falcão, jogou a toalha ao tapete, tendo reconhecido que deixa o problema sem resposta. Falcão considerou, no entanto, injusta a situação que a população vive.

Kativa Mbunjei
unitaangola.org

Partilhe este Artigo