A Televisão Pública de Angola apresentou, no dia 6 de Maio de 2017, uma imagem do Presidente Da República, José Eduardo dos Santos, em boa forma, no que – segundo a TPA – seria uma normal deslocação, de carácter privado, a Espanha. Nada de mais falso, pois tratou-se de manipulação informativa dado o real motivo da saída para Barcelona. O Presidente estava gravemente doente. E piorou.

Aliás, esta deslocação confirma no essencial o que o Folha 8 escreveu no dia 30 de Novembro de 2016 quando disse que José Eduardo dos Santos fora internado, de urgência, numa clínica em Barcelona.

“O Presidente de Angola, depois de já este mês (Novembro) ter sido consultado no mesmo estabelecimento de saúde, regressou ao país para assistir ao funeral do irmão, teve de regressar de urgência a Espanha”, referia a nossa notícia de então. 

Nessa informação, que mereceu uma violenta reacção por parte de elementos do núcleo duro do regime, a começar por Isabel dos Santos, o F8 escreveu que José Eduardo dos Santos estava gravemente doente, “admitindo-se nos círculos que lhe são próximos que possa não resistir ao evoluir da doença, do foro oncológico”.  

“Na prática, José Eduardo dos Santos já não governa o país”, admitiu na altura ao Folha 8 uma fonte próxima, acrescentando que “mesmo que consiga ultrapassar esta penosa fase da doença, dificilmente terá condições físicas e psicológicas para desempenhar o cargo”. 

De facto, tem sido normal esconder-se o estado de saúde do Presidente da República, fazendo-nos recordar a altura em que o Presidente  Agostinho Neto passou por situação idêntica. 

O Presidente da República, José Eduardo dos Santos, entrou no sábado, dia 6, na clínica Girassol para fazer exames médicos de acompanhamento da sua doença. Perante a sua evolução, após alta no dia 08, terá antes de se deslocar ao Palácio passado pela Clínica Multiperfil, onde terá confidenciado e sido avaliado durante horas por médicos da sua extrema confiança. Estes é que o terão aconselhado a partir no mesmo dia para Barcelona, Reino de Espanha, onde tem sido acompanhado.

Da doença

Em função desta observação, o presidente teria sido evacuado em maca, já em avião hospital. Face a esta situação começaram a circular vários rumores, sobre a gravidade do estado de saúde.

Entretanto, os boatos sobre a gravidade ou não, só surgem precisamente, por se fazer segredo de um assunto público. Nada custava à Presidência da República emitir um comunicado dando a conhecer a necessidade do Presidente José Eduardo dos Santos ir para o estrangeiro fazer consultas de controlo, sobre o seu estado de saúde. Ele é humano e está sujeito, como qualquer um, à necessidade de cuidar da sua saúde, o problema ocorre por estar a ser tratado como um ser diferente, que não tem dores, nem sentires, como o comum dos mortais.  

Entretanto, um médico espanhol ligado ao dossier, disse ao F8, pelo conhecimento que tem de o quadro do paciente angolano indicar que o mesmo, face ao problema avançado na próstata, terá neoplasia maligna (tumor) com metástases ósseas e cerebrais, podendo mesmo ter já afectado também o pâncreas. As sequelas desta proliferação de metástases poderão ter provocado ainda um a AVC (Acidente Vascular Cerebral) ou um Acidente Isquémico Transitório (alteração temporária da função cerebral causada por um bloqueio temporário do fornecimento de sangue ao cérebro). 

Esconder para criar leis protectoras

Em qualquer dos casos, o prognóstico é muito sério e grave, a tal ponto que toda a sociedade angolana se interroga como é possível que apenas meia dúzia de pessoas tenham conhecimento desta gravidade e, mais grave, queiram esconder ao país o estado de saúde do seu Presidente, goste-se ou não dele. 

Admitem fontes contactadas pelo F8 que, de facto, o poder efectivo de Angola já não esteja nas mãos de José Eduardo dos Santos mas, antes, na de alguns generais do seu núcleo duro que, inclusive, preparam a promulgação de leis excepcionais que lhes permitam, durante cinco anos, que nada seja alterado nos seus privilégios (sobretudo financeiros e patrimoniais), mantendo total imunidade perante os poderes judicias nacionais e internacionais. 

Inclusivamente poderá estar em efectivação a manutenção artificial da vida de Eduardo dos Santos até que essas alterações legislativas sejam concretizadas e supostamente promulgadas por ele.

Antecedentes recentes

Recorde-se, entretanto, que no funeral do seu irmão, mais velho, Avelino dos Santos, o Presidente José Eduardo dos Santos terá desmaiado, obrigando uma retirada de urgência. Mais recentemente, uma fonte bem colocada garantiu ao F8, ter-se repetido o mesmo cenário, na véspera de uma reunião do Conselho de Ministro também por aquilo que os órgãos públicos de informação chamam de indisposição. 

Nesta viagem a Barcelona, o presidente viajou acompanhado pela esposa, pelo ministro de Estado e chefe da Casa de Segurança, general Manuel Hélder Vieira Dias Júnior “Kopelipa”, e do chefe adjunto da Unidade de Segurança Presidencial (USP), brigadeiro Kubanza.

Esperemos que tudo não passe de mera especulação e que o Presidente possa melhorar de saúde e recuperar as suas plenas faculdades para completar o seu mandato. Finalmente uma última questão, a engenheira Isabel dos Santos, neste momento a serenidade é a melhor conselheira, pois lançar na sua página da internet, uma grosseira inverdade de o F8 ter noticiado a morte do seu pai, não abona a seu favor, porquanto nunca anunciamos ou publicamos tal notícia.

Notícia em actualização

Partilhe este Artigo