ANGOLA. Morreram 103 pessoas no primeiro semestre do ano em curso, na província da Huíla, vítimas de tuberculose, contra as 47 do igual período anterior de 2015.

Os dados foram hoje apresentados pelo director-clínico do hospital Sanatório do Lubango, Lourenço Kotele, durante uma palestra sobre a situação da tuberculose pulmonar na província, no II Congresso Internacional Multidisciplinar, VI jornadas científicas do Hospital central do Lubango “ Doutor António Agostinho Neto”.

Lourenço Kotele admitiu que com estes casos de óbitos, na província da Huíla, a tuberculose torna-se um caso de emergência, tendo em conta o aumento de número de casos novos no primeiro semestre de 2016, que foram de 1.388, contra 1.038 do igual período de 2015.

Lourenço Kotele adiantou, por outro lado, que o Hospital Sanatório do Lubango tem estado preocupado com altas taxas de abandono o que permite a proliferação da doença, com casos suspeitos de multi-resistência.

Partilhe este Artigo