MOÇAMBIQUE. A Renamo, principal partido de oposição de Moçambique, exigiu hoje a correcção daquilo que considera ser várias irregularidades na implementação do Acordo Geral de Paz de 1992 e na reintegração dos seus homens na polícia e no exército.

“A Renamo indicou que houve diversas irregularidades na implementação do Acordo Geral de Roma”, disse hoje à imprensa Jacinto Veloso, chefe da delegação do Governo moçambicano nas negociações de paz com a Renamo, falando em nome das duas delegações e dos mediadores internacionais, após mais uma sessão em Maputo.

De acordo com o porta-voz da sessão de hoje, a Renamo exige a rectificação dos supostos erros na implementação do documento assinado em 1992 e que pôs fim a 16 anos de guerra civil entre as forças governamentais e a Renamo, vitimando mais de um milhão de pessoas em todo país.

O mediador disse que este processo deve ser feito respeitando os interesses de “todos os moçambicanos”, na medida em que as Forças de Defesa e Segurança são apartidárias e devem defender a soberania do Estado.

“É preciso realçar que as Forças de Defesa devem abster-se, na sua acção, de qualquer atitude que possa provocar danos à unidade”, reiterou o chefe da delegação do Governo.

A integração dos homens armados da Renamo nas Forças de Defesa e Segurança é o terceiro ponto da agenda que a comissão mista debate neste novo processo negocial, sendo que as duas partes ainda não chegaram a acordo em relação aos dois pontos anteriores, nomeadamente ao fim dos confrontos militares e a exigência da Renamo de governar as seis províncias onde reivindica vitória nas eleições gerais de 2014.

Partilhe este Artigo