CABINDA. Em comunicado, assinado pelo tenente-coronel Vctoria Ngongo, a FLEC-FAC afirma que “o Governo de Angola, confrontado com a problemática cada vez mais candente da situação de Cabinda, optou por enviar os seus operacionais dos serviços de inteligência para a Europa”, no sentido assassinar “Emmanuel Nzita, presidente da FLEC-FAC, Osvaldo Franco Buela – director do Gabinete e Jean Claude Nzita, secretário para Informação e Comunicação, Porta voz da FLEC-FAC.

Diz a FLEC-FAC que “os serviços de inteligência do governo de Angola em Cabinda, mencionaram ultimamente em certos círculos, que tem 2 membros de confiança já corrompidos da actual direcção de líderes da FLEC na Europa, e que os seus operacionais “já estão em Paris, disfarçados em Adidos da Embaixada, com o propósito de assassinar os respectivos membros da Direcção da FLEC”.

Acrescenta o comunicado que “se os serviços secretos conseguirem assassinar esses dirigentes da FLEC, cada um deles terá uma recompensa de 6.000.000 de dólares”.

Partilhe este Artigo