MOÇAMBIQUE. O escritor moçambicano Calane da Silva prepara um novo romance baseado na história de Yasuke, um escravo com origem provável na Ilha de Moçambique que se tornou no primeiro samurai negro no Japão no século XVI.

“A ideia é ficcionar sobre a história de um homem nosso, mas que é pouco conhecido”, disse à Lusa Calane da Silva, para quem Yasuke é o “primeiro herói verdadeiramente moçambicano” e um homem que ajudou a reunificar o Japão.

Yasuke chegou ao Japão em 1579 como servo do missionário jesuíta italiano Alexandre Valignano, que visitava o país nipónico, vindo da Índia.

A altura, postura e força do escravo supostamente deportado da Ilha de Moçambique terão chamado a atenção do senhor da guerra Oda Nobunaga, que comprou Yasuke e lhe ensinou as artes marciais.

Apesar da pouca informação sobre Yasuke e de alguns episódios que lhe são atribuídos não terem comprovação, o nome do antigo escravo ficou associado a um grande guerreiro nas batalhas de Nobunaga, merecendo o título de samurai.

“Este foi o primeiro samurai negro”, declarou Calane da Silva, destacando a importância de mais pesquisas sobre histórias similares para valorização dos heróis moçambicanos de épocas anteriores à independência, apesar das limitações que advêm da falta de fontes.

Yasuke, que tem origem provável em Moçambique, embora outras hipóteses apontem a Etiópia ou a Somália devido ao seu grande porte, acabou por se tornar numa lenda no Japão, mas entre moçambicanos é ainda desconhecida a sua história, cujos contornos são “nobres e motivadores” para o povo.

“Foi um homem com uma força de espírito incrível e que merece ser lembrado”, afirmou o escritor moçambicano.

Yasuke já foi tema de um conto infantil e até de um videojogo no Japão e o seu nome figura em vários livros e filmes sobre Nobunaga.

Mais recentemente, a empresa Técnica Industrial, do Grupo João Ferreira, escolheu o nome de Yasuke para um novo modelo todo-o-terreno da Mitsubishi, lançado na semana passada em Maputo.

As versões sobre os últimos anos da vida de Yasuke são mais uma vez incertas.

Segundo o escritor moçambicano, casou-se com uma filha de Nobunaga, que o presenteou com uma casa no Japão, mas no final acabou por voltar para a Ilha de Moçambique.

Lusa

Partilhe este Artigo