MOÇAMBIQUE. O MDM, terceiro maior partido moçambicano, considerou hoje que a causa mais provável do assassínio de Jeremias Pondeca, membro da Renamo e conselheiro de Estado, é política, atendendo ao contexto de violência armada em que o país está mergulhado.

“Podemos ter diversas interpretações, vários pontos de vista, mas se há, no país, violência armada e bruta, o mais provável é que o assassínio tenha motivações políticas”, afirmou Lutero Simango, chefe da bancada parlamentar do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), em declarações aos jornalistas, no final do velório de Jeremias Pondeca, realizado hoje em Maputo.

Simango qualificou de “insuportável” a onda de violência política prevalecente no país, apelando ao Governo (Frelimo) e à Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), principal partido de oposição, para cessarem os confrontos.

Partilhe este Artigo