O discurso oficial da ditadura angolana atribui o atraso do país à guerra. A guerra foi responsável por uma total devastação, e por isso o país tem demorado muito tempo a erguer-se e a recuperar.

Por Rui Verde (*)

Ainda agora o governador do Malange fez eco desse pensamento quando num discurso afirmou: “Agostinho Neto, independência nacional, José Eduardo dos Santos, paz, reconciliação nacional e reconstrução nacional até às bases do desenvolvimento, e João Lourenço, desenvolvimento e prosperidade.”

Esta tripla estratificação explicaria por que razão o mandato de José Eduardo dos Santos fora um fiasco para Angola em termos económico-sociais. Tal aconteceu devido ao facto de o ditador-presidente ter estado ocupado com questões de guerra e paz. E já o próprio José Eduardo tinha afirmado, no seu surreal discurso do Estado da Nação de Outubro de 2016: “Muitos questionam por que razão não começámos este processo [diversificação da economia] muito antes, mas na verdade ele começou há muito tempo, só que não havia condições objectivas no nosso país para avançarmos mais depressa. Quando terminou a guerra em 2002, Angola e o Cambodja eram os países do mundo que tinham mais minas anti-pessoal e anti-tanque.”

José Eduardo usa o argumento da guerra, em particular as minas espalhadas pelo território, para justificar todo o atraso económico angolano e a dependência do petróleo. Não explica como gastou os mais de US $309 biliões de receitas fiscais derivadas da exportação de petróleo e de poupança líquida do Estado, arrecadados entre 2002 e 2014.

Esta teoria pode encontrar eco na propaganda, mas não na realidade. Estamos perto de 2017, a guerra terminou em 2002. Passaram-se, portanto, 15 anos.

Façamos um pouco de história comparada.

Em 1945, terminou a Segunda Guerra Mundial, com a derrota da Alemanha nazi. A própria Alemanha fora invadida pelos exércitos anglo-americano, de um lado, e russo, do outro. No final, a capital, Berlim, era o rosto da devastação do país.

Costuma-se chamar a este ano – 1945 – o ano zero da Alemanha. O país ficou sem nada. “Milhões de metros cúbicos de entulho eram a única coisa que restava das metrópoles alemãs depois do final da Segunda Guerra Mundial. (…) Os bombardeios às cidades alemãs haviam deixado 20 milhões de desabrigados no país. Quatrocentos milhões de metros cúbicos de entulho tinham de ser removidos. Um comparativo para demonstrar a situação: dos 750 mil habitantes de Colónia antes da guerra, haviam restado 40 mil.

Quinze anos depois, 1960. A Alemanha Ocidental é dos países mais desenvolvidos e prósperos do mundo. Aconteceu o chamado “milagre económico”. Entre 1952 a 1960, o investimento aumentou 120% e a economia cresceu 80%.

Isto quer dizer que, se é verdade que a guerra destruiu a Alemanha, tal não foi razão para que, 15 anos depois, a Alemanha não fosse um dos países mais prósperos do mundo. Foram precisamente os mesmos 15 anos que não serviram para Angola.

Dirão que Angola não é a Alemanha. Certo, mas daqui deriva que, se Angola não cresceu e não se tornou um país próspero depois de 2002, não foi por causa da guerra, mas por outros condicionalismos: a má governação, a apropriação da riqueza por uma pequena clique dominante, a corrupção, a falta de educação e a falta de investimento na população.

A diferença entre Angola e a Alemanha no pós-guerra é que Angola teve uma classe dirigente não democrática cujo único objectivo foi enriquecer e gozar dos despojos da guerra. Os generais vitoriosos sentiram o direito ao saque. Ganharam a guerra, e agora tudo é deles. Sentiram-se verdadeiros Senhores da Guerra, donos do país, do povo, das riquezas.

Essa – e não a própria guerra – é a única razão pela qual Angola não evoluiu depois do conflito.

A guerra não pode continuar a servir de alibi para o atraso, a ganância e a corrupção da ditadura angolana que mantém o país na miséria.

(*) Maka Angola

Partilhe este Artigo