Finalmente foi revelada uma explicação médica e nutricionalmente científica para os comportamentos aberrantes do director do Jornal de Angola, José Ribeiro. Diz ele que há angolanos a importarem produtos podres de Portugal, que são comercializados, podres, e servem para a alimentação de muitos angolanos podres e pobres.

Por Domingos Kambunji

Édo conhecimento geral que os produtos podres têm toxinas que podem comprometer o funcionamento cerebral. Fica assim explicada toda a podridão intelectual do jornal e do director do pasquim oficial. A alucinação é provocada pela alimentação!

O controlo de qualidade em Angola tem como objectivo garantir a podridão da corrupção, para assegurar a continuidade da cleptomania na Nação.

O Presidente faz discursos muito pobres e podres. Os generais e outros que tais não são pobres mas são muito podres em inteligência. Os tribunais, paupérrimos, já nasceram podres e estão a apodrecer ainda mais.

As estradas nacionais, que o José Ribeiro dizia serem as melhores, mundiais, apodrecem cada vez mais, diariamente, porque o alcatrão, (o que não é culpa do Chivukuvuko ou do Samakuva), dissolve-se com a chuva.

A empresa de petróleo soMamangol, propriedade da filha do Presidente, com tantas dívidas devido aos dólares que se evaporaram, está pobre e podre.

Os hospitais estão podres e até necessitam que o Kangamba e a Tchulé ofereçam luvas e máscaras de protecção contra contaminações.

A escolas, numa avaliação geral, estão no esgoto, a nível mundial. O Presidente está… a caminho da reforma por ter ultrapassado o prazo de qualidade (que nunca teve).

Afinal de contas porque é que o podre José Ribeiro se incomoda tanto por haver angolanos que importam produtos podres de Portugal para comercializarem e servirem de alimentação a angolanos podres e pobres?

Será que esses produtos apodrecem por retardarem o pagamento das importações, do mesmo modo que a função pública angolana e empresas privadas estão a apodrecer com salários em atraso?

Será que quem está acomodado à cultura podre do MPLA já não é capaz de perceber a diferença entre podridão e qualidade e pensa que honestidade é sinónimo de criminalidade?

É por esta razão que este patético rapaz, o Zé Ribeiro, pensa que o José Eduardo dos Santos merece o prémio Nobel da Paz? Tal é a confusão! Ele baralha tudo e pensa que paz é sinónimo de repressão, de corrupção e de podridão.

Quem está acostumado a viver no chiqueiro, como é o caso de José Ribeiro, fica sempre muito incomodado quando é criticado.

Esta é a explicação porque existe tanta podridão no pasquim oficial de informação. O Ribeiro, quando pensa que pensa e abre a boca, cheira muito mal. O fedor do director do pasquim oficial tem origem na cavidade cerebral.

De facto, ficamos admirados porque o MPLA mantém este director tão putrefacto. Talvez porque este charlatão seja dos poucos que ainda elogia a corrupção do patrão, com um comportamento indecente, o que o partido pensa ser muito inteligente.

A podridão destrói a dignidade e a razão. O José Ribeiro é apenas um exemplo de putrefacção que contamina e parasita a Nação.

Partilhe este Artigo