ONU. Cuba e o Brasil foram hoje eleitos membros do Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) para o biénio 2017-2019.

Na votação realizada na Assembleia-geral da ONU, a candidatura cubana obteve o voto favorável de 160 dos 193 Estados-membros, enquanto o Brasil conquistou o apoio de 137 países, contra 82 votos para a Guatemala, no grupo dos países da américa latina.

No caso de Cuba, trata-se de uma reeleição, dado que o país já é membro do Conselho, enquanto o Brasil retornará ao lugar a 1 de janeiro, após um intervalo de um ano.

A diplomacia brasileira agradeceu o apoio e afirmou num comunicado que “durante o novo mandato, o país empenhar-se-á para aumentar a efectividade do Conselho na promoção e protecção dos direitos humanos”.

Durante 2017, também continuarão a representar a América Latina a Bolívia, o Equador, El Salvador, o Panamá, o Paraguai e a Venezuela.

No total, o Conselho de Direitos Humanos é composto por 47 membros, que cumprem mandatos de três anos, com um limite de dois consecutivos.

A candidatura cubana tem recebido críticas de várias organizações não-governamentais de defesa de direitos humanos, como a Human Rights Watch (HRW) e Human Rights Foundation (HRF).

A HRW entende que se Cuba deseja ser um candidato credível deve pôr termo à “repressão sistemática de dissidentes e à sua recusa em autorizar visitas de observadores de direitos humanos da ONU”.

Várias organizações não-governamentais também questionaram as nomeações de outros países, especialmente a da Rússia e a da Arábia Saudita, devido às suas acções militares na Síria e no Iémen, respectivamente.

A Arábia Saudita foi reeleita hoje, enquanto a Rússia foi deixada de fora, tendo sido ultrapassada pela Hungria e pela Croácia no grupo do leste europeu.

Partilhe este Artigo