“A comunicação social tendenciosa transmite uma imagem errada de Angola, que promove meia dúzia de angolanos, pagos para intrigar e servir outros interesses”!

Por Domingos Kambunji

“O Zéducutivo angolano promove políticas de habitação com bwé de práticas de autoconstrução”.

“É cada vez mais evidente, mesmo para os mais distraídos, que o Zéducutivo fez uma forte aposta na estabilidade social, económica e política do país”.

Esses críticos da “comunicação social tendenciosa” deveriam consultar os maiores especialistas mundiais em geografia urbana, económica e social, a deputada Luísa Damião e o Victor sipaio do Jornal de Angola.

Esses críticos da “comunicação social tendenciosa” não sabem que Angola está situada no continente europeu (será asiático ou americano?) e faz fronteira com a Dinamarca, a Espanha, a Nova Zelândia, a Turquia e o Paraguai. Eles também não sabem, porque não dão atenção às palavras do Victor e da Luísa Damião, que o rio Kwanza é um afluente do Mississipi e, depois de percorrer todo o território australiano, desagua no Mar do Norte do lago Ontário, no Canadá.

Se o disparate e a castração mental fossem adubo, Luísa Damião dava um enormíssimo contributo para o crescimento da nossa agricultura.

Se o disparate e a castração mental fossem adubo, Luísa Damião dava um enormíssimo contributo para o crescimento da nossa agricultura.

Esses críticos deveriam apender com a deputada Luísa Damião e com o Victor antes de criticarem, intrigarem e servirem outros interesses. Alguns deles estudaram em universidades de pouco valor, como é o caso de Oxford, considerada, erradamente, a melhor universidade do mundo. Ora, como é evidente, a universidade de maior e melhor valor é a do Katambor.

Esses críticos não sabem que a culpa do pântano em que navega a economia do nosso país é da crise internacional. Angola é um país muito industrializado com um elevado número de fábricas, especialmente na indústria electrotécnica, para a produção de gestores de companhias petrolíferas. A crise internacional tem limitado as exportações da nossa elevada produção tecnológica.

Esses críticos da “comunicação social tendenciosa” não sabem que a crise internacional tem impedido a exportação de conhecimentos que promovem políticas de habitação com bwé de práticas de autoconstrução de musseques. Não revelamos o número de desempregados nesta área da arquitectura e engenharia civil suburbanas para que a “comunicação social tendenciosa” não se aproveite disso e transmita uma imagem ainda mais errada de Angola, que promova “meia dúzia de angolanos, pagos para intrigar e servir outros interesses”.

O Zéducutivo, após de uma demorada discussão com os deturpados da maioria paraLamentar, decidiu que talvez vá aumentar os salários da função pública, mas só depois de oferecer o bilião e meio de dólares que a Isabegalinha necessita para que a Sonangol não morra afogada em dívidas. Só está à espera que o Kwanza desvalorize 750% para propor um aumento salarial de 10%.

O Zédecutivo também decidiu importar, depois de ouvir a opinião do Victor sipaio do Jornal de Angola e da deturpada da maioria paraLamentar Luísa Damião, algumas centenas de milhar de microscópios electrónicos, para que os funcionários públicos angolanos consigam ver o valor do seu salário no final de cada mês. Os microscópios escolhidos, em concurso púbico, não têm capacidade para permitir a observação de ordenados com muitos meses em atraso.

“A comunicação social tendenciosa, que promove meia dúzia de angolanos, pagos para intrigar e servir outros interesses”, só está interessada em prejudicar os Santos da Reipública Teocrática e Cleptocrática de Angola!

Todos os Santos gozam de uma elevada estabilidade social e económica e beneficiam das políticas de habitação, com práticas de autoconstrução, implementadas pelo poder Zéducutivo!

Partilhe este Artigo