Uma série de assuntos que são tabu em Angola serão abordados no próximo sábado (17), em Coimbra, Portugal. O activista político e rapper angolano Luaty Beirão (Ikonoklasta) é o convidado especial do evento “Música de Resistência em Angola: De Liceu Vieira ao Ikonoklasta”.

Neste evento, Luaty Beirão estará ao lado do pesquisador e doutorando em Ciências da Comunicação, Carlos Guerra Júnior, que abordará um histórico sobre a música de resistência em Angola. O painel será apresentado na Casa da Lusofonia, às 16h, localizada na Universidade de Coimbra.

O quadro faz parte de um evento maior denominado “Resistência Política Pela Arte”, que no domingo (18) contará com a presença do humorista do Porta dos Fundos, Gregório Duvivier, que também luta pelos direitos humanos e democracia no Brasil, através de uma coluna no jornal Folha de São Paulo.

O evento será realizado pela Associação dos Pesquisadores e Estudantes Brasileiros em Coimbra (APEB-Coimbra) e da Esquerda Brasileira em Coimbra (EBRAC-Coimbra).

O renomado sociólogo português Boaventura de Sousa Santos, que foi um dos primeiros nomes públicos a manifestar-se no período de prisão dos 17 activistas, apoia a iniciativa, através do programa Alice – Espelhos do Mundo, assim como o Centro de Estudos Sociais (CES), a Secção de Escrita e Leitura da Associação Académica de Coimbra e o Ateneu de Coimbra, local onde os estudantes se reuniam para combater a ditadura salazarista.

O brasileiro Carlos Guerra, também é rap e utiliza a alcunha Mossoró, para cantar. No último dia 3, realizou uma participação no show Ikopongo, no qual enfatizou a importância de fazer uma luta internacional. A sua pesquisa de doutoramento é sobre o como rap como activismo político no espaço lusófono, no qual ele faz um trabalho, em Angola, sobre o rapper MCK.

No evento do próximo sábado, Carlos irá apresentar um histórico da música de resistência, que deveria ser apresentado no evento da Independência de Angola, mas ele recusou fazer a comunicação após ser comunicado que deveria fazer uma adaptação do discurso.

O doutorando abordará a música de resistência em Angola, desde o Ngola Ritmos, ressaltando sobre a prisão de Liceu Vieira Dias. Além disso, falará sobre as demais músicas pró-independência nas décadas de 1960 e 1970, dos artistas que foram mortos no dia 27 de Maio de 1977, bem como da continuidade da resistência apenas no exterior. Mossoró ainda comentará o surgimento do rap em Angola e das mulheres que actuam no Rapvolução, ressaltando a importância da ascensão no feminismo em Angola, tanto na música, como através do Movimento Capilar.

Ikonoklasta irá abordar o cenário do Movimento Hip Hop em Angola a partir da década de 1990, da ascensão do rap como meio de intervenção em Angola, das manifestações em prol da democracia e também sobre como procedeu a sua prisão.

Na ocasião, a organização do evento também irá lançar oficialmente o livro de Luaty Beirão em Coimbra, que leva o título “Sou Eu Mais Livre, Então…”. O intuito de organização é fazer com que os estudantes da Universidade de Coimbra passem a entender melhor o cenário político angolano, para que possam surgir mais trabalhos académicos sobre Angola.

Luaty também fará uma participação especial no evento “Humor Contra o Golpe”, com o Gregório Duvivier, para enfatizar que a luta pela liberdade é internacional. O Brasil sofreu um golpe de estado em Maio deste ano e nesta quarta-feira (13) foi aprovada a PEC 55, que entre outras baixas, prevê o congelamento dos gastos em saúde e educação durante 20 anos.

Partilhe este Artigo