FLEC/FAC. “Saúdo e agradeço Ao povo de Cabinda, povo digno, que superou e continua a superar muitas dificuldades. Felicito-vos pela coragem e serenidade que sempre demonstrou durante momentos difíceis e dolorosos que atravessa a nossa Nação.

Aos irmãos e irmãs que vivem nas zonas ocupadas, saúdo o vosso elevado sentido de sacrifício e de dedicação à pátria. Quero expressar a nossa solidariedade na sua luta em condições difíceis para a Libertação de Cabinda. Os nossos esforços políticos e diplomáticos serão dirigidos para a vossa libertação total da ocupação das forças dos agressores.

Uma vez mais, uma guerra injusta nos é imposta. Tudo quanto foi dito sobre esta guerra de agressão por parte de Angola.

Neste momento, muitos dos nossos compatriotas em Cabinda estão a viver o pesadelo de uma guerra que nós não causamos, nem directa ou indirectamente.

Uma guerra cujo verdadeiros mandantes e patrocinadoras são tão intocáveis como são as suas motivações profundas, temas tabus, porque inaceitáveis.

Lanço um apelo solene e patriótica a toda a juventude de Cabinda para que se juntam a nós na defesa dos interesses vitais da nação Cabindesa e auxiliar-nos a tomar o nosso destino.

É verdade que, há alguns tempos atrás, perdemos uma batalha. Mas, como na vida de um homem, uma falha na existência de uma nação, não é uma fatalidade. O mais importante é reagrupar-se e encontrar novas formas de se projectar de forma positiva no futuro. Vamos, portanto, prepare-se para defender a nossa mãe pátria até ao sacrifício supremo com os meios ao nosso alcance.

Isto quer dizer que nós não pouparemos os esforços para reconquistar o nosso território ocupado. Não. Nada. Nenhum sofrimento, nenhuma privação, nenhuma adversidade nos vai enfraquecer da nossa determinação de defender Cabinda.

Os meus pensamentos vão particularmente as Forças Armadas de Cabinda (FAC), presente em várias frentes. Encorajo-os a exercer o seu dever patriótico e insta-os a observar a vontade que lhes foi legado pelo nosso presidente fundador Nzita H. Tiago.

Cabinda, nosso território está nas garras de uma ocupação militar muito feroz. Mas acredito que, juntos, vamos superar o, porque os nossos inimigos não conseguiram quebrar o mais essencial: a nossa coragem, o amor que temos para a nossa pátria, pelo qual o presidente Nzita Tiago lutou até à morte. Os homens podem desaparecer ou apagar-se, mas que essa chama transmitiremos todos juntos aos nossos filhos.

Mais uma vez, caros compatriotas, agradeço-vos pela vosso atenção.

Jean Claude Nzita”

Partilhe este Artigo