ANGOLA enquanto província ultramarina de Portugal, até 1973, era auto-suficiente, face à diversificação da economia, hoje tão em voga nos discursos oficiais que, a seu belo prazer, tentam reescrevera história.

Angola era o segundo produtor mundial de Café Arábico; primeiro produtor mundial de Bananas, através da província de Benguela, nos municípios da Ganda, Cubal, Cavaco e Tchongoroy. Só nesta região produzia-se tanta banana que alimentou, designadamente a Bélgica, Espanha e a Metrópole (Portugal) para além das colónias da época Cabo-Verde, Moçambique, Guiné-Bissau e Sã Tomé e Príncipe-

Era igualmente o primeiro produtor africano de Arroz através das regiões do (Luso) Moxico, Cacolo Manaquimbundo na Lunda Sul, Kanzar no Nordeste Lunda Norte e Bié.

Ainda no Leste de Angola, nas localidades de Luaco, Malude e Kossa, a “Diamang” (Companhia de Diamantes de Angola) tinha mais 80 mil cabeças de gado, desde bovino, suíno, lanígero e caprino, com uma abundante produção de ovos, leite, queijo e manteiga.

Na região da Baixa de Kassangue, havia a maior zona de produção de algodão, com a fábrica da Cotonang, que transformava o algodão, para além de produzir, óleo de soja, sabão e bagaço.

Na região de Moçamedes, nas localidades do Tombwa, Lucira e Bentiaba, havia grandes extensões de salga de peixe onde se produzia, também enormes quantidades de “farinha de peixe”, exportada para a China e o Japão.

Não adianta a José Eduardo dos Santos mandar os seus sipaios, angolanos e portugueses, reescrever a verdade. Estamos de barriga vazia, mas não somos matumbos.

Partilhe este Artigo