O Líder da Renamo, Afonso Dhlakama, anunciou hoje num comício na Beira a criação da República do Centro e Norte de Moçambique, da qual vai ser presidente, não reconhecendo o Governo da Frelimo saído das últimas eleições gerais.

O líder do maior partido da oposição moçambicana disse que “a Renamo vai formar os governos provinciais nas seis províncias e eu, Afonso Dhlakama, passarei a ser o presidente da República do Centro e Norte de Moçambique”, assegurando porém que não pretende dividir o país nem criar a independência desta região, mas dar-lhe autonomia política e económica.

Sem avançar datas, Afonso Dhlakama disse que vai nomear governadores e administradores nas províncias de Sofala, Tete, Zambézia e Manica (centro) e Niassa e Nampula (norte), cedendo à Frelimo, partido no poder em Moçambique, a província nortenha de Cabo Delegado, de onde provém o Presidente da República eleito, Filipe Nyusi.

O comício foi realizado junto do edifício dos Caminhos de Ferro de Moçambique, na cidade da Beira, província de Sofala, tradicional bastião da Renamo, e mobilou milhares de pessoas que gritavam “Save, Save”, em alusão ao nome do rio que separa o sul e o centro de Moçambique e várias vezes usado como ameaça do partido de oposição, situando o ponto de divisão do país.

Partilhe este Artigo