O grupo de interesses (“think-tank”) norte-americano Brookings Institution considera que Angola vai ter mais dificuldade em pagar os juros da dívida pública devido à descida dos preços do petróleo, identificando mais cinco tendências de risco resultantes da crise petrolífera.

N um ensaio sobre os efeitos negativos da descida dos preços do petróleo nos países da África subsariana, entre os quais se encontra o segundo maior produtor desta região, Angola, os analistas do Instituto Brookings afirmam que “países como Angola, Gabão e Nigéria vão ter mais dificuldades em pagar a dívida à medida que as suas receitas petrolíferas caem e que a depreciação das suas moedas torna o valor da dívida, nominalmente em dólares, mais caro”.

No artigo disponível no site de um dos mais reputados grupo de interesses norte-americanos, explica-se que existem mais tendências nestes países: para além dos riscos na colocação de dívida no mercado, são identificados riscos políticos, benefícios para os países africanos importadores de petróleo, volatilidade nos mercados dos países exportadores de petróleo e riscos para o futuro da economia destes países.

“Os efeitos económicos da descida dos preços do petróleo podem aumentar o risco político, especialmente em países em conflito”, escrevem os analistas, exemplificando com o Sudão do Sul e com a Nigéria, a braços com a possibilidade de os investidores ficarem ainda mais nervosos com as notícias negativas, ignorando os esforços dos governos para melhorar a situação e reagir à perda de receitas petrolíferas.

Por outro lado, continuam, alguns países dependentes do petróleo para equilibrar o orçamento, como é o caso de Angola e da Nigéria, entre outros, não têm almofadas orçamentais suficientes para acomodar a descida do preço, por isso “vão ser obrigados a ajustar a despesa ou desvalorizar a moeda, o que pode levar ao aumento da inflação”.

O problema, sublinham, é que “cortes na despesa pública e aumento da inflação podem impulsionar agitação social, especialmente quando afectam sectores da população que são rápidos a mostrar o seu descontentamento, como os estudantes ou os sindicatos”.

Ao contrário, os países africanos importadores de petróleo são os mais beneficiados, e a agência de notação financeira Fitch, citada no texto, prevê mesmo que a descida nos preços do crude possa impulsionar o crescimento da região para 4,5% em 2014 e 5% este ano.

As últimas duas tendências identificadas nesta análise do Brookings Institution são a volatilidade dos mercados cambiais e perigos para o futuro da economia nos países exportadores: na Nigéria, a moeda local caiu 10% desde meio de Junho até final de 2014, o que torna ainda mais difícil para os investidores retirarem os seus lucros do país.

Por último, o futuro das próprias economias africanas assentes na exportação de petróleo: “apesar de os países importadores, como o Quénia ou o Uganda, estarem a beneficiar da queda actual dos preços, eles devem tornar-se exportadores de petróleo, talvez já em 2017, e por isso a descida nos preços atuais pode afectar o lucro estimado para os investimentos nesse sector”.

O preço do barril de crude nos mercados de referência caiu mais de 50% desde meados de Junho, tendo descido abaixo da barreira psicológica dos 50 dólares já no princípio deste ano, desequilibrando as contas públicas dos países que dependem da exportação de petróleo para equilibrar os seus orçamentos, e obrigando a medidas de correcção para evitar o descontrolo nos orçamentos.

Partilhe este Artigo